Maduro garante que "chegará o dia" em que Guaidó vai ser detido

O Presidente da Venezuela fez um sério aviso à oposição, dias depois de o tio de Juan Guaidó ter sido detido pelo regime.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse hoje que "chegará o dia" em que o opositor Juan Guaidó será detido pelas autoridades e que estuda a resposta a dar a posições de ingerência de embaixadores europeus em Caracas.

"No dia em que os tribunais da República ordenem um mandado para deter o senhor Juan Guaidó, por todos os delitos que tem cometido, nesse dia irá para a cadeia. Tenham a certeza de que esse dia (ainda) não chegou, mas chegará", disse Nicolás Maduro.

O chefe de Estado venezuelano falava no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, durante uma conferência de imprensa na qual estiveram duas dezenas de jornalistas estrangeiros.

Nicolás Maduro adiantou que a Venezuela estuda medidas para responder ao apoio dado por embaixadores de vários países da Europa a Juan Guaidó, que recentemente foram recebê-lo ao aeroporto, como Romain Nadal, o embaixador de França em Caracas.

"Estamos a estudar a resposta que daremos", declarou.

Quanto à detenção de José Márquez, tio de Juan Guaidó, no aeroporto de Maiquetía, explicou que "é um problema da justiça venezuelana" sobre o qual não tem de opinar, considerando que o procurador-geral da Venezuela, Tareck William Saab, deveria ser questionado sobre o assunto.

O presidente do parlamento da Venezuela, o opositor Juan Guaidó, chegou na terça-feira ao Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía (25 quilómetros a norte de Caracas), o principal do país, às 17:00 locais (21:00 em Lisboa), a bordo de um voo da transportadora TAP.

À chegada, simpatizantes do regime agrediram-no na cara e rasgaram-lhe a camisa, perante a indiferença de agentes da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar).

Guaidó, que chegou a Caracas após um périplo iniciado em 19 de janeiro na Colômbia.

O líder da oposição esteve depois no Reino Unido, Suíça, Espanha, Canadá, França e Estados Unidos da América, tendo-se reunido com diferentes governantes e, inclusivamente, com o Presidente norte-americano, Donald Trump.

Horas depois de ter chegado a Caracas, Juan Guaidó denunciou que o seu tio Juan José Márquez desapareceu no mesmo dia, após ter sido intercetado pelas autoridades aduaneiras, na chegada a Caracas, onde chegou no mesmo voo do líder opositor.

O Governo venezuelano confirmou a detenção de Guaidó por ter tentado entrar no país com "material muito perigoso".

"Tenho uma notícia: foi detido um senhor, que trazia material muito perigoso dentro do avião", disse o presidente da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, numa referência à detenção de Juan José Marquez.

Num programa transmitido pela televisão estatal venezuelana na terça-feira à noite, o presidente da Assembleia Constituinte, composta unicamente por apoiantes do regime venezuelano, acrescentou que Juan José Marquez "violou as normas da aeronáutica civil e entrou com um colete antibala, proibido" no país.

Diosdado Cabello, considerado o segundo homem mais forte do chavismo, depois de Nicolás Maduro, indicou que o tio de Juan Guaidó "trazia umas lanternas táticas, que continham no interior, no compartimento das pilhas, substâncias químicas de natureza explosiva, presumivelmente explosivo sintético C4".

Cabello acusou ainda a companhia aérea portuguesa TAP de ter permitido o transporte ilegal de explosivos e de ter ocultado a identidade do passageiro Juan Guaidó.

O presidente da Assembleia Constituinte acusou ainda o embaixador português em Caracas, Carlos Sousa Amaro, de interferir nos assuntos internos da Venezuela, ao interceder por Juan José Marquez, tio de Guaidó.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de