Mais de 16 milhões de norte-americanos procuram seguro de saúde "Obamacare"

O Governo norte-americano trabalhou com organizações sem fins lucrativos e investiu em especialistas de programas que ajudaram a inscrever pessoas de comunidades de baixa renda, imigrantes, negras e latinas.

Um total de 16,3 milhões de norte-americanos já procuraram seguro de saúde através do Affordable Care Act (ACA) este ano, o dobro do número quando a lei foi lançada há quase uma década, anunciou na quarta-feira a Administração Biden.

Mais de três milhões de novos membros ingressaram no sistema, também conhecido como 'Obamacare', de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos.

A administradora dos Centros de Serviços Medicare e Medicaid, Chiquita Brooks-LaSure, adiantou que o Governo dos Estados Unidos trabalhou com organizações sem fins lucrativos e investiu em especialistas de programas que ajudaram a inscrever pessoas de comunidades de baixa renda, imigrantes, negras e latinas.

"Fizemos investimentos sem precedentes para expandir a nossa pegada de organização de inscrição em quase todos os condados do país e visamos as comunidades mais difíceis de atingir", disse.

O aumento de inscrições ocorre quando o número de pessoas sem seguro está no nível mais baixo de sempre -- apenas 8% das pessoas nos Estados Unidos permanecem sem cobertura.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, e um Congresso liderado pelos democratas disponibilizaram milhões de dólares nos últimos dois anos para desbloquear planos de seguro de baixo custo para mais pessoas e proibir os estados de expulsar as pessoas do Medicaid durante a pandemia.

O próprio mercado também evoluiu nos últimos anos, com a adesão de mais seguradoras, dando à esmagadora maioria dos norte-americanos pelo menos três planos a serem considerados durante a inscrição.

As interrupções nas coberturas foram prolongadas até 2025 sob um importante projeto-lei de clima e saúde defendido pelos democratas no ano passado.

Parte desse progresso está ameaçado este ano, com a expectativa de milhões de pessoas perderem sua cobertura do Medicaid a partir da primavera, quando os estados começarão o processo de remoção de pessoas que não são mais elegíveis, em muitos casos, porque a sua renda agora é muito alta para se qualificar.

Espera-se que alguns dos que perderão o Medicaid façam a transição para o mercado; e o Governo disse que está a gastar 12 milhões de dólares (cerca de 11 milhões de euros) para manter especialistas em informação -- nos próximos meses -- para ajudar as pessoas a se inscreverem no mercado de leis de saúde, se perderem a cobertura.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de