Mais PRR implementado nas regiões e rapidez nas parcerias

Eurodeputados e líderes locais apelam a maior implementação dos Planos de Recuperação e Resiliência (PRR) nas regiões da UE e a entrega rápida dos acordos de parceria.

Os membros do Parlamento Europeu e do Comité das Regiões Europeu (CoR) debateram com a Comissária responsável pela Coesão e Reformas, Elisa Ferreira, o novo período de programação 2021-27 e os aspetos territoriais do Mecanismo de Recuperação e Resiliência (RRF). Pediram à Comissão que garanta o pleno respeito do princípio da parceria e da governação a vários níveis e que faça recomendações aos Estados-Membros para melhorar os processos de parcerias com as entidades locais. Exortaram também os Estados-Membros a garantir uma implementação territorial mais ampla do RRF e a Comissão Europeia a garantir que os Planos de Recuperação Nacionais sejam elaborados possam efetivamente dar prioridade às regiões menos desenvolvidas e em transição, bem como às regiões mais impactadas pelas repercussões socioeconómicas da crise da COVID-19.

Adotar acordos de parceria

Com um volume de 392 mil milhões de EUR para o período de 2021-2027, a política de coesão continua a ser a principal política de investimento da UE para reduzir as disparidades entre as regiões da UE, reforçando a coesão económica, social e territorial da UE. Com o objetivo de concentrar pelo menos 30% dos fundos da UE na luta contra as alterações climáticas, a nova geração de fundos de coesão tornou-se também um dos principais instrumentos de investimento do Acordo Verde. A sua implementação "é agora mais do que nunca esperada no terreno para impulsionar a recuperação e preparar todas as regiões da UE para os novos desafios e transições que se avizinham".
Devido à pandemia da COVID-19, o regulamento que rege os fundos 2021-27 entrou em vigor em 1 de julho de 2021 e apenas o Acordo de Parceria da Grécia foi adotado pela Comissão até agora.

Durante uma reunião conjunta, membros da Comissão de Desenvolvimento Regional do Parlamento Europeu (REGI) e da Comissão de Política de Coesão Territorial e Orçamento da UE (COTER) do Comité das Regiões Europeu (CoR) debateram os desafios do novo período de programação. Sublinharam a importância dos princípios da parceria e da governação aos níveis subnacionais e, ao mesmo tempo, recordaram a importância de manter as medidas de flexibilidade introduzidas no ano passado para mobilizar os fundos estruturais da UE na luta contra a COVID-19.

Apelaram de igual modo às autoridades europeias e nacionais para que acelerem a preparação dos novos programas de investimento e reforcem as sinergias entre os Planos Nacionais de Recuperação e Resiliência e a Política de Coesão, tendo presente a necessidade de evitar sobreposições e garantir que os objetivos dos planos nacionais de recuperação respeitam os princípios de coesão.

Elisa Ferreira: coesão mais importante do que nunca

Os membros da REGI e do COTER partilharam as suas preocupações e prioridades com a Comissária para a Coesão e Reformas Elisa Ferreira, para quem "a política de coesão é mais importante do que nunca: investir na recuperação de todas as regiões, numa transição verde para todas as regiões, numa transição digital que não deixe ninguém para trás e evite uma nova exclusão digital é a nossa missão para os próximos dez anos".

A comissária europeia portuguesa está convicta que os europeus vão "saber usar de forma responsável esta oportunidade única numa geração de níveis excecionais de financiamento de coesão e perceção pública favorável, para criar algo de que as gerações futuras se orgulharão. "

Younus Omarjee, presidente da comissão REGI do Parlamento Europeu, realçou que "o impacto da crise é extremamente elevado e espera-se agora que os fundos da UE no terreno impulsionem uma recuperação rápida. As prioridades de curto, médio e longo prazo da política de coesão continuam a ser a redução das disparidades sociais, económicas e territoriais entre as regiões da UE. Este é um pilar central da União Europeia. Os princípios da política de coesão que regeram as nossas negociações devem agora ser respeitados na execução dos fundos e programas, bem como na recuperação dos Estados-Membros planos. "

Na implementação, não repetir erros

Isabelle Boudineau, presidente da comissão do CR COTER e membro do Conselho Regional da Nouvelle-Aquitaine, afirmou que "as regiões e cidades europeias precisam da União Europeia tanto quanto a UE precisa de regiões e cidades para ter êxito na recuperação e na transição ecológica. A UE e os seus Estados-Membros têm de confiar nas autoridades regionais e locais. Conhecemos os nossos territórios e as suas necessidades. Por conseguinte, estamos em melhor posição para concretizar as prioridades europeias nos diferentes contextos territoriais. A renacionalização na preparação do Plano de Relançamento Europeu foi um erro. Não vamos repetir o erro excluindo regiões e cidades da sua implementação".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de