Marcações para primeira dose da vacina contra a Covid-19 disparam em Itália

Decreto para exigir "passaporte sanitário" a todos os trabalhadores foi aprovado pelo governo italiano na quinta-feira.

Dispararam as marcações para a primeira dose da vacina contra a Covid-19 em Itália. O fenómeno aconteceu porque, a partir de 15 de outubro, todos os italianos que trabalhem são obrigados a apresentar o certificado de vacinação ou um teste negativo ao coronavírus.

A medida tem poucos dias, mas as marcações para receber a primeira dose da vacina já aumentaram 35%. O decreto para exigir "passaporte sanitário" a todos os trabalhadores foi aprovado pelo governo italiano na quinta-feira e vai fazer de Itália o primeiro país europeu a solicitar este certificado no emprego.

O "passe verde" da Covid-19, como é chamado em Itália, já é exigido para determinadas circunstâncias, como o acesso ao interior de bares e restaurantes, ginásios, museus ou convenções, e será agora solicitado a todos os funcionários do setor público e privado.

Itália tem atualmente 74,61% da população com mais de 12 anos imunizada contra o coronavírus, números semelhantes aos dos seus vizinhos na União Europeia.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de