Meloni vence em Itália. "Direita tradicional é responsável pela normalização da extrema-direita"

Em declarações à TSF, o eurodeputado socialista Pedro Marques defende que a "retórica xenófoba" da extrema-direita contra os direitos das minorias deve ser "travada", sublinhando que as instituições europeias só devem aceitar governos democráticos e que respeitem as regras.

O eurodeputado Pedro Marques mostra-se preocupado com a ascensão da extrema-direita ao poder em Itália. O socialista acusa a direita tradicional de normalizar estes partidos antidemocráticos.

"Infelizmente tem estado a acontecer em vários países da Europa à medida que as consequências da guerra chegam à vida das pessoas. Estes partidos de extrema-direita culpam os migrantes, as pessoas homossexuais, têm um discurso racista e xenófobo e, com isto, tem estado a captar eleitorado na base do sofrimento das pessoas", explicou à TSF Pedro Marques.

O eurodeputado socialista considera que, devido às coligações com a extrema-direita, a "direita tradicional é também responsável pela normalização da extrema-direita", referindo-se não só ao exemplo italiano, mas também ao sueco, ao português (nos Açores) e ao espanhol.

Pedro Marques avisa que a "retórica xenófoba" da extrema-direita contra os direitos das minorias deve ser "travada": "Temos valores europeus e regras europeias, e não podemos aceitar este tipo de retórica transformada em governação na Europa. Não aceitamos, certamente, que a Itália se junte agora ao senhor Orbán e mesmo ao governo polaco neste tipo de atitude."

O eurodeputado socialista sublinha que as instituições europeias só devem aceitar governos democráticos e que respeitem as regras. Pedro Marques assume que a suspensão de fundos europeus pode ser uma solução caso Itália não respeite a integridade das regras comunitárias, algo que já aconteceu, por exemplo, com a Hungria e a Polónia.

Suspensão de fundos europeus?

"Vamos exigir da Comissão Europeia a fiscalização integral do cumprimento das regras europeias. Temos regras de condicionalidade europeia, mesmo para acesso aos fundos europeus, de condicionalidade do funcionamento do Estado de direito e essas regras vão ter de ser aplicadas", defende.

O socialista admite que as sanções impostas contra a Rússia e o impacto no custo de vida dos europeus podem ajudar a extrema-direita a chegar ao poder.

"O risco é real. Desde o início desta situação [a guerra na Ucrânia] que temos pedido no Parlamento Europeu e, entretanto, já conseguimos que a Comissão Europeia apresentasse essas propostas. Pedimos propostas que distribuam melhor o esforço para enfrentar esta guerra e que apoiem mais as famílias europeias em dificuldades", refere.

"Quando as famílias estão a sofrer mais, há sempre um risco real deste canto de sereia da extrema-direita, de conversa fácil e que culpa sempre os outros, os estranhos, os que vêm de fora e as minorias étnicas", sustenta.

De acordo com resultados parciais, a coligação de direita e extrema-direita - liderada pelo partido Irmãos de Itália e que reúne ainda a Liga, de Matteo Salvini, e o partido conservador Força Italia, de Silvio Berlusconi - obteve entre 44,16% dos votos nas legislativas.

O bloco de centro-esquerda, liderado pelo Partido Democrático, de Enrico Letta, deverá ter 26% dos votos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de