Ministros do G7 discutem as "ameaças internacionais" à democracia

Esta é a primeira cimeira presencial do G7 desde 2019 e um teste para uma ambiciosa cimeira de líderes que o Reino Unido pretende realizar em junho.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 discutem, esta terça-feira, as "ameaças internacionais" à democracia, como as crises no Myanmar, Líbia e Etiópia, numa cimeira presencial em Londres, que decorre até quarta-feira.

O anfitrião, o chefe da diplomacia britânica, Dominic Raab, afirmou que "a presidência do G7 do Reino Unido é uma oportunidade para juntar sociedades abertas e democráticas e demonstrar unidade num momento em que é muito necessária para enfrentar desafios comuns e ameaças crescentes"

Além do grupo dos sete países mais industrializados - Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Itália e Japão -, participam os ministros da Austrália, Coreia do Sul, África do Sul, União Europeia e Brunei, que tem a presidência da Associação das Nações do Sudoeste Asiático (ASEAN).

A crise resultante do golpe no Myanmar e o possível reforço de sanções contra indivíduos e entidades ligadas à junta militar, embargo de armas e aumento da assistência humanitária, bem como a situação na Líbia e Síria, vão ser discutidos esta manhã.

À tarde vão ser abordadas as situações na Etiópia, Somália, na região do Sahel e nos Balcãs.

O Reino Unido pretende também trazer para a mesa as atividades perturbadoras da Rússia, incluindo o aumento de tropas na fronteira com a Ucrânia, a detenção do oposicionista Alexei Navalny e a situação na Bielorrússia.

Esta é a primeira cimeira presencial do G7 desde 2019 e um teste para uma ambiciosa cimeira de líderes que o Reino Unido, que tem a presidência rotativa do grupo, pretende realizar entre 11 e 13 de junho.

Para garantir a segurança, foi instalado um sistema de testes no local das reuniões, impostas medidas de distanciamento social e painéis de acrílico e restrito o número de membros de cada delegação.

Na segunda-feira, primeiro dia da cimeira, os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 já tinham anunciado um pacote de financiamento para os próximos dois anos para ajudar mulheres nos países em desenvolvimento a terem acesso a empregos e desenvolverem negócios para responder ao impacto económicos da pandemia Covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de