Morreu Ben Ali, ex-presidente da Tunísia

Morte, aos 83 anos, foi confirmada pelo advogado da família.

Ben Ali, ex-presidente da Tunísia que foi deposto em 2011 pela revolução que inspirou a Primavera Árabe, morreu esta quinta-feira na Arábia Saudita, avançou o advogado da família. Tinha 83 anos.

"Ben Ali acabou de morrer na Arábia Saudita", disse o advogado Mounir Ben Salha à agência Reuters.

O ex-presidente fugiu da Tunísia em janeiro de 2011, depois de ter sido destituído do cargo pela revolução que inspirou a Primavera Árabe.

No último domingo, os tunisianos votaram numas eleições que contaram com candidatos de todo o espetro político. A segunda volta vai opor o jurista independente Kais Saied e o magnata dos media, atualmente na prisão, Nabil Karoui. Algo que seria impensável durante o Governo de Ben Ali.

No entanto, embora tenham transitado para a democracia de forma mais suave que alguns cidadãos de outros Estados árabes que também se rebelaram em 2011, muitos tunisianos vivem, atualmente, uma situação económica pior do que aquela que tinham na altura de Ben Ali.

O desemprego, que atinge mais de 15% da população, incluindo numerosos jovens diplomados, a inflação que agrava o quotidiano da população, na generalidade com baixos salários, ou o contínuo agravamento da qualidade dos serviços públicos contribuíram para aumentar o ressentimento face aos poderes instalados após a revolução de 2011.

Quem foi Ben Ali?

Zine El Abidine Ben Ali esteve 23 anos no poder. Foi o primeiro ditador a cair com a revolta dos povos do Magrebe e Médio Oriente.

Antes de ser destituído reprimiu à força os manifestantes da Primavera Árabe. Por causa desses crimes foi condenado a prisão perpétua, à revelia, quando estava exilado na Arábia Saudita.

A Primavera sacudiu o Egito, Bahrein, Iémen, Líbia e Síria, mas tudo começou em Túnis, onde a revolução ficou conhecida como Jasmim.

A 10 de dezembro de 2010, a polícia confiscou o carrinho ambulante de Mohamed Bouazizi, que vendia frutas e legumes. Face à prepotência, o jovem imolou-se pelo fogo. Menos de um mês depois, a 14 de janeiro, perante os protestos generalizados da população e da perda de confiança dos militares, Ben Ali renunciou enquanto a primavera florescia.

Notícia atualizada às 16h46

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de