Moscovo considera um "erro grave" a adesão da Suécia e Finlândia à NATO

De acordo com o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, a resposta da Rússia "vai depender das consequências práticas da adesão" dos dois países escandinavos à Aliança Atlântica.

As candidaturas da Suécia e da Finlândia à NATO, em reação à ofensiva russa contra a Ucrânia, constituem um "grave erro", declarou esta segunda-feira o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Riabkov.

"É um grave erro adicional cujas consequências podem ser consideráveis", disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros de Moscovo citado pela agência russa Interfax.

De acordo com Riabkov a resposta da Rússia "vai depender das consequências práticas da adesão" dos dois países escandinavos à Aliança Atlântica.

"Para nós, é evidente que a segurança da Suécia e da Finlândia não vai sair reforçada desta decisão", sublinhou acrescentando que "o nível da tensão militar (está) a aumentar".

Os social democratas no poder na Suécia aprovaram no domingo a candidatura à NATO, pouco depois de o executivo da Finlândia ter anunciado vontade em aderir à organização que Moscovo considera "ameaça existencial".

Para a Suécia e para a Finlândia, dois países que nunca fizeram parte da NATO, as candidaturas são resultado da ofensiva russa contra a Ucrânia e que a Rússia é uma ameaça para os países vizinhos.

A Finlândia, em particular, partilha uma fronteira terrestre de 1.300 quilómetros com a Rússia.

Entre outros motivos, Moscovo justificou a invasão da Ucrânia referindo-se à proximidade de Kiev à NATO, através do estreitar das relações políticas, diplomáticas e militares.

Com a intervenção militar russa contra a Ucrânia iniciada no passado dia 24 de fevereiro o regime de Moscovo pretendia afastar a influência do "Ocidente".

Os países da NATO reforçaram o envio de armamento para as forças ucranianas que combatem o Exército da Rússia desde a nova invasão de fevereiro.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de