Mais de 500 dias depois, jornalistas presos no Myanmar foram libertados

Dois jornalistas da agência Reuters presos em Myanmar por violarem a lei do segredo de Estado, na sequência de uma investigação sobre o massacre dos rohingya, foram libertados.

De acordo com o chefe da prisão de Insein, Zaw Zaw, os dois jornalistas foram libertados esta manhã depois do Presidente de Myanmar, Win Myint, ter perdoado 6.520 presos.

Nas primeiras declarações à imprensa, um dos jornalistas garantiu que "vai continuar" a exercer a profissão. "Sou jornalista e vou continuar", disse Wa Lone, citado pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Por seu lado, a agência Reuters emitiu um comunicado a saudar a decisão das autoridades de Myanmar, destacando a coragem dos dois trabalhadores, "símbolos da importância da liberdade de imprensa".

"Estamos imensamente satisfeitos que Myanmar tenha libertado os nossos corajosos repórteres, Wa Lone and Kyaw Soe Oo", sublinhou o o diretor da agência noticiosa, Stephen Adler.

"Desde que foram detidos, há 511 dias, os dois tornaram-se símbolos da importância da liberdade de imprensa em todo o mundo. Saudamos o seu regresso", acrescentou.

Os dois jornalistas partilharam com os seus colegas da Reuters, no início de abril, o Prémio Pulitzer de reportagem internacional, uma das maiores distinções do jornalismo.

No dia 23 de abril, o Supremo Tribunal de Myanmar tinha rejeitado o último recurso de Wa Lone e Kyaw Soe Oo, confirmando as sentenças de prisão de sete anos, na sequência de reportagens sobre a repressão militar contra a minoria muçulmana rohingya.

O escritório das Nações Unidas em Myanmar também já saudou a libertação dos dois jornalistas.

"A ONU em Myanmar considera a libertação de Wa Lone e Kyaw Soe Oo um passo para melhorar a liberdade de imprensa e um sinal do compromisso do Governo com a transição de Myanmar para a democracia", lê-se numa declaração divulgada por e-mail.

Wa Lone e Kyaw Soe Oo foram acusados de se terem apoderado de documentos secretos relativos às operações das forças de segurança no estado de Rakhine, região do noroeste de Myanmar, palco das atrocidades cometidas contra a minoria muçulmana rohingya do país.

Quando foram detidos, em dezembro de 2017, estavam a investigar o massacre de rohingyas em Inn Din, uma aldeia do norte do estado de Rakhine.

Desde então, as forças armadas reconheceram que realmente tinham sido cometidas atrocidades em setembro de 2017, e sete militares foram condenados a dez anos de prisão.

Ambos os repórteres declararam sempre ter sido enganados, e um dos polícias que testemunhou no julgamento admitiu que o encontro durante o qual os documentos secretos lhes foram entregues foi "uma armadilha" destinada a impedi-los de prosseguir o trabalho.

Desde 2017, mais de 700.000 rohingyas abandonaram a região, fugindo à violência do exército birmanês e de milícias budistas e refugiaram-se em campos improvisados no vizinho Bangladesh, um dos países mais pobres do mundo.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de