"Não há situação de risco." Governo da Cantábria pede calma e "paciência"

A operação deve ser feita ainda esta segunda-feira, porque as previsões apontam para um agravamento do tempo esta terça-feira.

A diretora-geral do governo da Cantábria, Jezabel Moran, pede paciência e garante que os portugueses que deverão estar retidos numa gruta em Cantábria não correm risco de vida.

"Estamos a colocar cordas que funcionam como apoios nas zonas inundadas para que, assim que o nível da água o permita, possam de servir de ajuda ao grupo dos quatro espeleólogos para saírem da gruta", garantiu, ouvido pela TSF.

Jezabel Moran assegura mesmo que "neste momento não há situação de risco". "É preciso paciência para esperar que desça o nível da água e para que consigamos chegar ao local onde estão."

A operação deve ser feita ainda esta segunda-feira, porque as previsões apontam para um agravamento do tempo esta terça-feira. "Estimamos que, por volta das três da tarde, o nível da água nos permita avançar na gruta, e avançar até ao ponto onde estão as quatro pessoas", acrescenta a diretora-geral do governo da Cantábria.

ACOMPANHE TODOS OS DESENVOLVIMENTOS

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados