NATO diz que Rússia continua a reforçar presença militar nas fronteiras

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO, considera que a "Rússia ainda pode invadir a Ucrânia sem aviso prévio".

A Rússia continua a reforçar a presença militar nas suas fronteiras com a Ucrânia, disse esta quarta-feira o secretário-geral da NATO, observando que "nesta fase" não há sinais de desescalada, apesar das declarações de Moscovo.

"Nesta fase, não assistimos a qualquer desescalada no terreno. Pelo contrário, parece que a Rússia continua a reforçar a sua presença militar", disse Jens Stoltenberg no início de uma reunião com os ministros da Defesa da Aliança em Bruxelas.

"A Rússia ainda pode invadir a Ucrânia sem aviso prévio, as capacidades estão no lugar" com mais de 100.000 soldados, acrescentou o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), citado pela agência francesa AFP.

A Rússia anunciou hoje, e na terça-feira, o regresso aos quartéis de algumas das suas tropas que destacou para perto das fronteiras com a Ucrânia nos últimos meses.

Algumas dessas unidades estavam na península ucraniana da Crimeia, que a Rússia invadiu e anexou em 2014.

A televisão russa mostrou hoje imagens noturnas de um comboio que transportava blindados através da ponte sobre o Estreito de Kertsch, construído pela Rússia para ligar a Crimeia ao seu território.

À entrada da reunião da NATO, o ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, também se referiu à falta de provas da retirada de forças e disse que o Reino Unido irá julgar a Rússia pelas ações e não pelas palavras.

Wallace disse que se mantém a possibilidade de um ataque.

"De facto, assistimos a uma acumulação contínua de coisas como hospitais de campo e sistemas de armas estratégicas", disse.

"Até vermos uma verdadeira desescalada, penso que todos devemos ser cautelosos sobre a direção que o Kremlin [Presidência russa] está a tomar", acrescentou.

A reunião dos ministros da Defesa da NATO realiza-se hoje e quinta-feira, em Bruxelas.

Portugal está representado pelo ministro da Defesa, João Gomes Cravinho.

O Ocidente acusa a Rússia de ter concentrado mais de 100.000 tropas nas fronteiras da Ucrânia para invadir novamente o país vizinho.

A Rússia nega qualquer intenção bélica, mas exige garantias para a sua segurança, incluindo uma promessa de que a Ucrânia nunca será membro da NATO.

Esta exigência foi rejeitada pelo Ocidente, que propôs em troca conversações com Moscovo sobre outros assuntos de segurança, como o controlo de armas ou visitas recíprocas a infraestruturas sensíveis.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de