Navio encalhado no Canal de Suez está a impedir a o tráfego marítimo no local

A agência Bloomberg indica que, após o incidente, mais de 100 navios estão a aguardar a possibilidade de passar pelo canal.

Um navio porta-contentores encalhou no Canal do Suez depois de ter sido atingido por rajadas de vento e provocou a paragem da circulação marítima numa das rotas mais utilizadas do mundo, anunciou a companhia que opera a embarcação.

Uma foto divulgada na terça-feira mostra o navio MV Ever Given, com pavilhão de Taiwan, com 400 metros de comprimento e 59 metros de largura atravessado no canal impedindo o tráfego.

"O porta-contentores encalhou de forma acidental, provavelmente depois de ter sido atingido por uma rajada de vento", disse à France-Presse a companhia Evergreen Marine Corp.

A empresa acrescenta que "está em contacto com as partes envolvidas, entre elas a autoridade que gere o Canal do Suez, para ajudar o navio o mais depressa possível".

A agência Bloomberg indica que, após o incidente, mais de 100 navios estão a aguardar a possibilidade de passar pelo canal.

"Houve um incidente, (o navio) encalhou", disse à Bloomberg o diretor da BSM Hong Kong que gere o MV Ever Given.

De acordo com o portal de vigilância marítima Vessel Finder, o navio tem como destino o porto de Roterdão, na Holanda.

"Os rebocadores estão neste momento a tentar fazer com que o navio volte a navegar", disse a empresa Leth Agencies, que fornece serviços aos clientes que utilizam o canal.

Um dia no Suez: emoção e "algum stress"

Numa situação normal, passar no canal do Suez já implica, por si só, esperar, "em média, um dia".

Quem o diz, na TSF, é o comandante Daniel Mestre. Tudo isto para acompanhar o chamado "comboio", uma fila de navios, "todos com um piloto local a bordo, que zela pela segurança e assessoria o comandante durante todo o trajeto".

Foi em 2015 que o português passou pela primeira vez no canal que liga o Mar Mediterrâneo ao Mar Vermelho. Recordando a experiência, o processo de travessia implica "muitos navios, a navegar muito próximos uns dos outros, e com muitos agentes da autoridade a subir a bordo".

As comunicações são muitas para assegurar a coordenação entre os navios que seguem no comboio. "É muita coisa a acontecer ao mesmo tempo", assinala Daniel Mestre.

No fundo, é "um dia carregado de emoções e de algum stress".

Todos os procedimentos mostram que há muito planeamento e muita preparação e que todos sabem o que fazer. Por isso, os acidentes - como o que aconteceu na última madrugada - não são frequentes. Mas, agora, resta esperar "os dias que forem necessários".

A atual estimativa das autoridades é a de que sejam necessários dois dias para retomar a normalidade.

"Vamos acreditar que sim, pessoalmente penso que será uma perspetiva demasiado otimista", reconhece o comandante. "Mas não é totalmente irreal."

O Canal do Suez, inaugurado em 1869, garante a passagem de 10% do comércio marítimo internacional.

Cerca de 19 mil navios utilizaram a passagem em 2020, de acordo com a Autoridade do Canal do Suez (SCA).

A passagem marítima é uma fonte de rendimentos essencial para o Egito, que beneficiou de 5,6 mil milhões de dólares em taxas, no ano passado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de