Nicolás Maduro acusa EUA de "apunhalar" a Cimeira das Américas

A cimeira terá lugar de 6 a 10 de junho em Los Angeles e, até agora, Cuba, Nicarágua e Venezuela não foram convidadas como represália por violações dos direitos humanos

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou esta segunda-feira os Estados Unidos da América (EUA) de "apunhalar" a próxima Cimeira das Américas, que decorre na próxima semana em Los Angeles, pela sua intenção de excluir Venezuela, Nicarágua e Cuba.

"O próprio governo dos EUA encarregou-se de dar uma punhalada nas possibilidades de sucesso desta cimeira", afirmou Maduro em entrevista à Rádio del Sur, acrescentando: "É uma contradição realizar uma Cimeira das Américas em Los Angeles. Isto não é uma Cimeira, é uma reunião".

Paralelamente, o chefe de Estado venezuelano realçou a "coragem" de mais de 25 países que expressaram a sua solidariedade e a sua rejeição das políticas de exclusão do governo dos EUA.

"Estão a tentar realizar uma cimeira, mas isto não é uma cimeira e muito menos uma cimeira das Américas. Quase 90% dos governos do continente tiveram a coragem, de diferentes maneiras, de expressar o seu protesto contra a exclusão", vincou.

Em particular, Nicolás Maduro destacou o homólogo argentino, Alberto Fernández, que participará na reunião. "É muito bom que ele traga a voz da América Latina e das Caraíbas ao encontro das Américas", disse, elogiando "um parceiro que quer ajudar a Venezuela e a região" e que se opõe à exclusão venezuelana: "Em todas as suas viagens fala da necessidade de levantar as sanções contra Venezuela e Cuba".

A cimeira terá lugar de 6 a 10 de junho em Los Angeles e, até agora, Cuba, Nicarágua e Venezuela não foram convidadas como represália por violações dos direitos humanos. Os países da Comunidade dos Estados das Caraíbas (CARICOM) já avisaram que não vão comparecer no evento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de