Nova Zelândia planeia começar a abrir fronteiras no início de 2022

A nação do Pacífico Sul, de cinco milhões de pessoas, registou apenas 26 mortes desde o início da pandemia, o que foi conseguido, em parte, através do encerramento das fronteiras àqueles que não são residentes ou cidadãos, discutindo-se agora se é viável para a Nova Zelândia manter uma abordagem de tolerância zero ao vírus.

A Nova Zelândia, um dos territórios do mundo que combateu com mais sucesso a pandemia de Covid-19, planeia reabrir cautelosamente as fronteiras aos viajantes internacionais no início do próximo ano, disse esta quinta-feira o Governo.

As autoridades também afirmaram que iam adiar a segunda inoculação com a vacina Pfizer para acelerar as primeiras doses, de forma a proteger mais pessoas à medida que a ameaça da variante delta cresce.

O êxito da Nova Zelândia no combate à propagação do coronavírus permitiu que a vida voltasse quase ao normal. A nação do Pacífico Sul, de cinco milhões de pessoas, registou apenas 26 mortes desde o início da pandemia.

Isto foi conseguido, em parte, através do encerramento das fronteiras àqueles que não são residentes ou cidadãos, discutindo-se agora se é viável para a Nova Zelândia manter uma abordagem de tolerância zero ao vírus, uma vez retomadas as viagens internacionais.

A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, disse que o Governo planeia seguir o conselho dos peritos: "Enquanto a pandemia continua a grassar no estrangeiro, e o vírus continua a mudar e a sofrer mutações, a melhor coisa que podemos fazer é preservar o que alcançámos até à data, mas mantendo as nossas opções em aberto."

A responsável disse que as fronteiras só reabririam depois de a campanha de vacinação na Nova Zelândia estar concluída no final do ano. O lançamento tem sido muito mais lento do que na maioria das nações desenvolvidas, embora esteja a começar a acelerar.

Ardern indicou que a partir do primeiro trimestre do próximo ano, o país começaria a permitir que os viajantes chegassem, mas no âmbito de uma gestão cautelosa.

Os viajantes de países de baixo risco, totalmente vacinados, não seriam obrigados a ficar em quarentena, acrescentou.

Aqueles oriundos de países de médio risco precisariam de cumprir alguma forma de quarentena. E aqueles que chegassem de países de alto risco, ou que não estivessem vacinados, teriam de permanecer 14 dias num hotel em quarentena, gerido pelos militares, acrescentou.

A Covid-19 provocou pelo menos 4.314.196 mortes em todo o mundo, entre mais de 203,9 milhões de infeções pelo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.514 pessoas e foram registados 993.241 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de