"Nunca mais." OMS pede união para estabelecer acordo de combate a futuras pandemias

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde avisa que o surgimento da nova variante Ómicron "lembra-nos que a Covid não acabou".

"Nunca mais." O grito de alerta é do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). No início da reunião extraordinária da OMS, esta segunda-feira, Tedros Adhanom Ghebreyesus pediu às nações de todo o mundo que estabeleçam um acordo sobre pandemias para que as gerações futuras estejam melhor preparadas para as combater.

"Tudo isso vai acontecer de novo a menos que vocês, nações do mundo, se unam para dizer numa só voz: nunca mais!", exclamou.

No domingo, os membros da OMS decidiram iniciar negociações para criar um instrumento internacional para prevenir e combater futuras pandemias. Este projeto deverá ser anunciado, oficialmente, nesta reunião que irá durar três dias.

"Chegou a hora de superar esta pandemia e deixar uma herança para as gerações que nos vão suceder", destacou o diretor-geral da OMS.

"A emergência da Ómicron lembra-nos que a Covid não acabou", acrescentou, referindo-se à nova variante do vírus, que "mostra a razão pela qual o mundo precisa de um novo acordo".

O projeto de acordo dos membros da OMS prevê a criação de "um órgão intergovernamental" para redigir e negociar "uma convenção, um acordo ou outro instrumento internacional sobre a prevenção, o preparo e a resposta para pandemias".

Também esta segunda-feira, a OMS alertou para um risco "muito alto" relativamente à nova variante da Covid-19, a Ómicron.

Tendo em conta as altas mutações da Ómicron, com potencial para ser mais resistente à imunização e mais contagiosa, o risco da variante ser transmitida mundialmente é "alto", refere o documento da OMS, que acrescenta que, "até ao momento, não se registou nenhuma morte associada à nova variante".

"Pode haver novas ondas de Covid-19 com consequências graves, dependendo de muitos fatores, como os locais onde essas ondas ocorrem", acrescenta.

Perante estes riscos, a OMS pede aos estados-membros que tomem algumas medidas prioritárias, incluindo "acelerar a vacinação contra a Covid-19 o mais rápido possível, especialmente entre a população de risco que permanece não vacinada".

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de