Oito a 13 milhões de pessoas podem estar em risco de subnutrição devido à guerra

Há 50 países que dependem das importações de trigo e que obtêm 30% ou mais deste cereal a partir da Rússia e da Ucrânia.

Oito a 13 milhões de pessoas no mundo poderão sofrer de subnutrição se o bloqueio às exportações de alimentos da Ucrânia e Rússia perdurarem devido à guerra, alertou esta sexta-feira a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Depois de o presidente francês, Emmanuel Macron, ter alertado que a Europa e África seriam "muito profundamente destabilizadas em termos de alimentos" nos próximos 12 a 18 meses devido à guerra, o diretor-geral da FAO, Qu Dongyu, detalhou quais países seriam afetados e qual a extensão.

Em comunicado, o diretor-geral da FAO disse que "as interrupções nas cadeias de produção e fornecimento e transporte de grãos e oleaginosas, e as restrições impostas às exportações da Rússia, terão repercussões significativas na segurança alimentar".

"Este é particularmente o caso de cerca de 50 países que dependem das importações de trigo e que obtêm 30% ou mais do seu trigo da Rússia e da Ucrânia", acrescentou.

Segundo referiu, "Egito, Turquia, Bangladesh e Irão, que são os maiores importadores de trigo, compram mais de 60% do seu trigo à Ucrânia e Rússia (...). Líbano, Tunísia, Iémen, Líbia e Paquistão também são fortemente dependentes desses dois países para o fornecimento de trigo".

Se a redução das exportações da Ucrânia e da Rússia perdurarem, "o número global de pessoas subnutridas poderá aumentar de 8 a 13 milhões em 2022/2023", estima a organização numa nota informativa publicada em paralelo.

As regiões mais afetadas seriam Ásia-Pacífico, África Subsaariana, Médio Oriente e Norte de África.

A organização internacional recomenda que os países continuem as trocas tanto quanto possível, a fim de "proteger as atividades de produção e comercialização destinadas a atender às procuras nacionais e mundiais".

"Para o grande número de pessoas adicionais em todo o mundo que correm o risco de serem empurradas para a pobreza e a fome devido ao conflito, devemos fornecer programas de proteção social adequadamente direcionados sem demora", disse Qu Dongyu.

A epidemia de Covid-19 já teve o efeito de agravar a subnutrição mundial, com o número de pessoas afetadas a aumentar 1,5% em 2020, após cinco anos de relativa estabilização, segundo agências especializadas em insegurança alimentar no mundo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de