OMS pede vigilância de potenciais animais reservatórios de coronavírus

A vigilância permitirá "identificar atempadamente o possível aparecimento de variantes do coronavírus nos animais".

O Comité de Emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu esta quarta-feira aos países para que façam "vigilância em tempo real" de animais que possam ser possíveis reservatórios do coronavírus que causa a Covid-19.

"A vigilância em tempo real e a partilha de dados sobre a infeção, a transmissão e a evolução do SARS-CoV-2 nos animais permitirão compreender melhor a epidemiologia e a ecologia do vírus", refere um parecer hoje divulgado do comité, que se reuniu há cerca de uma semana sob convocação do diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Segundo o organismo, a vigilância permitirá ainda identificar atempadamente o possível aparecimento de variantes do coronavírus nos animais, e a sua evolução, e assim avaliar os riscos para a saúde pública.

O Comité de Emergência da OMS recomenda aos Estados-Membros a realização de "inquéritos epidemiológicos sobre a transmissão do SARS-CoV-2 ao nível do interface homem-animal e uma vigilância direcionada para os potenciais animais reservatórios e hospedeiros".

Dois anos depois de o novo coronavírus ter sido detetado na China, a sua origem ainda não foi totalmente esclarecida.

Peritos defendem a teoria genericamente aceite de que o vírus passou provavelmente de um morcego para as pessoas através de um outro animal ainda não identificado.

A hipótese de fuga do SARS-CoV-2 de um laboratório chinês foi alimentada, nomeadamente, pela administração do ex-Presidente norte-americano Donald Trump.

Algumas vozes sustentam que os especialistas da OMS não tiveram liberdade suficiente para trabalhar durante a sua investigação em Wuhan, cidade chinesa onde o coronavírus foi detetado no final de 2019, e que se disseminou rapidamente pelo mundo.

Na reunião da semana passada, o mesmo comité da OMS decidiu manter a Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional, em vigor desde 30 de janeiro de 2020.

A pandemia da Covid-19 provocou mais de 5,5 milhões de mortes em todo o mundo, segundo o mais recente balanço da agência noticiosa AFP.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.413 pessoas e foram contabilizados 2.003.169 casos de infeção, de acordo com dados atualizados da Direção-Geral da Saúde.

A Covid-19 é uma doença respiratória causada pelo SARS-CoV-2, que assumiu várias variantes.

A mais recente das variantes de preocupação, identificada em novembro, chama-se Ómicron e é a mais contagiosa de todas, tendo levado vários países, incluindo Portugal, a ultrapassar diversas vezes os máximos diários de infeções.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de