Papa sublinha direito de Kiev a defender-se de agressão russa

Declarações do papa são algumas das mais contundentes por ele até agora emitidas sobre o direito da Ucrânia a existir enquanto Estado soberano.

O papa Francisco condenou esta sexta-feira "o perverso abuso de poder" patente na agressão russa à Ucrânia e pediu ajuda para os ucranianos, atacados na sua "identidade, história e tradição" e que têm direito a "defender a sua terra".

As declarações do papa, numa mensagem enviada a um encontro de representantes católicos europeus na Eslováquia, são algumas das mais contundentes por ele até agora emitidas sobre o direito da Ucrânia a existir enquanto Estado soberano e a defender-se da invasão da Rússia.

Foram proferidas apenas alguns dias depois de o chefe da Igreja Católica ter dito ao patriarca da Igreja Ortodoxa russa, Kirill, que o conceito de "guerra justa" é obsoleto, porque as guerras nunca são justificáveis, e que os religiosos devem pregar a paz, não a política.

Tais comentários, feitos durante uma videochamada na quarta-feira com Kirill, foram um golpe indireto à aparente defesa da guerra feita pelo patriarca ortodoxo.

Próximo do Presidente russo, Vladimir Putin, o patriarca terá justificado a invasão descrevendo-a como parte de uma luta contra o pecado e a pressão de estrangeiros liberais para realizar "desfiles 'gay'".

Kirill culpou o Ocidente e outro patriarca ortodoxo por fomentar a inimizade entre a Ucrânia e a Rússia e fez eco das palavras de Putin ao insistir que os cidadãos dos dois países são "um só povo".

Nas suas declarações desta sexta-feira, o papa Francisco não mencionou a Rússia pelo nome - prova da tradição do Vaticano de não identificar agressores e das suas tentativas de manter um diálogo aberto com a igreja de Kirill -, mas a sua defesa da Ucrânia foi clara.

"O grito desolador pedindo ajuda dos nossos irmãos ucranianos obriga-nos, enquanto comunidade de crentes, não apenas a uma séria reflexão, mas a chorar com eles e a esforçarmo-nos por eles; a partilhar a angústia de um povo ferido na sua identidade, história e tradição", disse Francisco na mensagem enviada ao encontro católico em Bratislava.

"O sangue e as lágrimas das crianças, o sofrimento das mulheres e homens que estão a defender a sua terra ou a fugir às bombas abalam a nossa consciência. Mais uma vez, a humanidade é ameaçada por um perverso abuso de poder e interesses sectários, que estão a condenar um povo indefeso a sofrer todas as formas de violência brutal", sustentou.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de