Patrões moçambicanos querem medidas para reabrir praias

O chefe de Estado Filipe Nyusi prolongou a medida de interdição até 20 de dezembro, um dia antes do início do verão em Moçambique e do principal período de férias no país. A situação tem prejudicado as principais estâncias turísticas, num setor que tem sido dos mais afetados com o impacto económico da pandemia.

A Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) defende medidas que possam garantir em segurança sanitária a reabertura das 21 principais praias moçambicanas, interditadas para prevenir a Covid-19.

"O fecho das nossas praias representa um grande obstáculo à retoma do nosso turismo" e torna urgente que haja "regras para que o uso das praias seja possível o quanto antes, sem que a saúde das pessoas seja posta em causa", lê-se em comunicado a que a Lusa teve acesso.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou um alívio de restrições a 23 de setembro, incluindo a reabertura das praias, mas sem aglomerações.

No entanto, a 6 de outubro, o Governo decidiu interditar as principais praias do país devido às enchentes, entretanto, verificadas.

Na última comunicação à Nação, em 24 de outubro, o chefe de Estado prolongou a medida até 20 de dezembro, um dia antes do início do verão em Moçambique e do principal período de férias no país.

A situação tem prejudicado as principais estâncias turísticas, num setor que tem sido dos mais afetados com o impacto económico da pandemia de Covid-19.

"Temos reunido, temos apresentado os problemas e dificuldades da atualidade do nosso sector, mas também soluções e propostas concretas que o setor privado está preparado para implementar de imediato", refere a CTA.

Entre as medidas, está a "inscrição para a vacinação de todos os colaboradores do setor".

As praias interditadas na zona Sul de Moçambique são Costa do Sol, Katembe, Ponta do Ouro e Macaneta na região de Maputo, Bilene e Xai-Xai na província de Gaza e ainda Tofo, Barra e Guinjata, na província de Inhambane.

No centro, estão fechadas as praias do Estoril, Macúti e Ponta Gêa na cidade da Beira, a praia da Zalala em Quelimane e a praia fluvial do Revubué em Tete.

No Norte estão interditadas as praias de Fernão Veloso e Chocas-Mar em Nampula, as praias de Wimbe, Maringanha, Sagal e Inos na cidade de Pemba e a praia de Chuanga em Metangula, no lago Niassa.

O país vive uma descida de todos os indicadores epidemiológicos desde julho, altura em que viveu a terceira vaga de Covid-19.

Hoje tem um total acumulado de 1930 mortes e 151.292 casos de Covid-19, dos quais 98% recuperados e sete internados.

LEIA TUDO SOBRE A COVID-19 AQUI

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de