PE chumba Sylvie Goulard. É o terceiro nome a "cair"

Pela primeira vez, o Parlamento Europeu faz valer os seus poderes e rejeita um terceiro comissário indigitado pelos governos.

O Parlamento Europeu rejeitou hoje a nomeação de Sylvie Goulard como comissária europeia do Mercado Interno no futuro executivo de Ursula Von der Leyen, revelaram à Lusa fontes parlamentares. O parecer negativo dos eurodeputados das comissões parlamentares do Mercado Interno e da Indústria -- 82 votaram contra a nomeação da francesa, 29 a favor e um absteve-se -- prende-se com a recusa de Sylvie Goulard em apresentar a demissão do cargo de comissária europeia caso seja acusada no processo dos empregos fictícios de assistentes do seu partido, o MoDem, no PE, o mesmo que a levou a demitir-se do Governo francês em junho de 2017, apenas um mês após ter assumido a pasta da Defesa.

Depois ter sido ouvida novamente esta manhã, a candidata francesa não conseguiu reunir uma maioria de apoio de 2/3 entre os coordenadores das comissões parlamentares do Mercado Interno e da Indústria, responsáveis pelo seu parecer, pelo que foi convocada uma reunião geral das duas comissões para decidir, numa votação por maioria simples, se Goulard possuía ou não as competências necessárias para integrar o colégio de comissários e para desempenhar as funções específicas que lhes foram confiadas.

Entretanto, a Presidência francesa considerou esta quinta-feira que a rejeição da candidata a comissária francesa, Sylvie Goulard, pelo Parlamento Europeu (PE) se deveu a um "jogo político" e disse precisar "de explicações" da presidente eleita da Comissão, Ursula von der Leyen.

A Presidência francesa reagiu num comunicado afirmando que Goulard foi "sujeita a um jogo político que atinge a Comissão Europeia no seu conjunto", uma vez que "a sua competência e compromisso com a Europa não estão em causa" e "são bem conhecidos de todos".

"O Presidente [Emmanuel Macron] falará com [a presidente eleita da Comissão] Ursula von der Leyen para analisar a sequência a dar, respeitando a pasta atribuída a França", acrescenta o comunicado.

O 'chumbo' da candidata francesa implica que o Governo de Paris indique um novo nome para integrar a próxima Comissão Europeia.

"É preciso que me expliquem", disse pouco depois à imprensa Emmanuel Macron, depois de referir as conversas que manteve com Von Der Leyen sobre a escolha de Sylvie Goulard.

O Presidente francês disse ainda suspeitar de que, por detrás do voto contra a candidata francesa, tenha estado "ressentimento, talvez pequenez".

*Notícia atualizada às 16h19

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de