Ataque em Brooklyn: 16 feridos, cinco em estado crítico. Polícia descarta terrorismo

Dez pessoas foram baleadas e não há conhecimento de explosivos por detonar no local. Principal suspeito está em fuga.

Dezasseis pessoas ficaram feridas, dez das quais baleadas durante um ataque esta manhã (início da tarde em Lisboa) numa estação de metro de Brooklyn, em Nova Iorque, Estados Unidos. Cinco destas dez pessoas estão em "estado crítico, mas estável", adiantou a comissária dos bombeiros, Laura Kavanagh, em conferência de imprensa.

O autor suspeito e procurado pela polícia é "um homem negro, com cerca de 1,65 metros, entroncado, que vestia um colete refletor verde, uma camisola com capuz cinzenta e o que aparentava ser uma máscara de gás", descreveu a comissária da polícia de Nova Iorque, Keechant L. Sewell. No interior da composição, o suspeito "tirou um recipiente do saco que utilizava e abriu-o, enchendo o comboio de fumo", disparando depois sobre várias pessoas "na composição e na plataforma".

"Não há conhecimento de engenhos explosivos no metro e este caso não está a ser tratado como um episódio de terrorismo", adiantou a mesma responsável em conferência de imprensa conjunta.

"Isto tem de parar"

Na mesma comunicação, a governadora do estado de Nova Iorque, Kathy Hochul, apelou ao fim dos crimes com armas de fogo. "Esta manhã, vários nova-iorquinos acordaram para o que pensavam ser um dia normal. A sensação de tranquilidade foi brutalmente interrompida por um indivíduo sem sentimentos. Esta pessoa ainda está à solta e é perigosa", alertou. "Não queremos mais tiroteios. Isto tem de parar."

Os bombeiros foram os primeiros a chegar ao local, após relatos de fumo na estação da Rua 36 com a Quarta Avenida, que serve as linhas D, N - que esta composição percorria em direção a Manhattan - e R do metro nova-iorquino. Vídeos divulgados nas redes sociais mostram o pânico dos passageiros ao sair de uma carruagem coberta de fumo.

O ataque ocorreu durante a hora de ponta, pelas 8h30 (hora local, 13h30 em Lisboa), motivando atrasos em várias ligações de metro. A polícia de Nova Iorque pediu à população que se mantivesse afastada do local, junto ao cruzamento da rua 36 com a 4.ª avenida de Brooklyn, mas encoraja o envio de vídeos e fotos do acontecimento "por mais insignificantes que possam parecer".

Biden e secretária de Segurança Interna informados

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o procurador-geral Merrick Garland e o secretário de Segurança Interna do país, Alejandro Mayorkas, já foram informados do sucedido, informam os porta-vozes no Twitter.

Escolas a funcionar como abrigo

As escolas da área de Brooklyn - num raio de 1,5 km à volta do local - estão sob "ordem de abrigo", o que impede saídas do edifício e só permite a entrada de estudantes, adianta o Departamento de Educação dos Estados Unidos, que não adianta o número total de escolas envolvidas nesta ação.

Em atualização

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de