Pequim defende gestão chinesa de foguete que caiu na Terra

O administrador da agência espacial norte-americana acusou Pequim de agir de forma imprudente ao permitir que o seu foguete caísse na Terra.

O Governo chinês defendeu esta segunda-feira a sua gestão de um foguete que se incendiou sobre o Oceano Índico e disse que está a ser acusado injustamente de ter adotado padrões diferentes dos de outros programas espaciais.

O administrador da agência espacial norte-americana acusou Pequim de agir de forma imprudente ao permitir que o seu foguete caísse na Terra, aparentemente sem controlo, no domingo, após colocar uma estação espacial em órbita.

A agência espacial chinesa disse que a maior parte dos detritos do foguete 5B Longa Marcha arderam acima das Ilhas Maldivas.

"A China tem acompanhado de perto a sua trajetória e emitido declarações antecipadas sobre a situação de reentrada", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Hua Chunying.

"Não houve relatos de danos no terreno. A China também compartilhou os resultados das previsões de reentrada por meio de mecanismos de cooperação internacional", disse.

O foguete carregou a secção principal da estação espacial Tianhe, ou Harmonia Celestial, que foi colocada em órbita, em 29 de abril.

A China planeia mais 10 lançamentos, para completar a construção da sua estação.

Os foguetes espaciais geralmente voltam para a Terra logo após a descolagem. A agência espacial da China não explicou por que motivo o Longa Marcha foi colocado temporariamente em órbita.

O administrador da NASA, Bill Nelson, acusou a China, numa declaração, de "não cumprir os padrões responsáveis" na gestão de detritos espaciais.

Hua, a porta-voz chinesa, reclamou que Pequim está a ser tratado injustamente e apontou para a reação aos destroços de um foguete lançado pela empresa aeroespacial norte-americana SpaceX, que caiu na Terra, em Washington, e na costa do Oregon em março.

"A imprensa norte-americana usou uma retórica romântica como 'estrelas cadentes que iluminaram o céu noturno'. Mas quando se trata do lado chinês, é uma abordagem completamente diferente", acusou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de