Petrolífera italiana vai vender participação no gasoduto que liga Rússia e Turquia

A Eni junta-se a grandes petrolíferas, como a BP e a Shell, na retirada de projetos na Rússia.

A petrolífera italiana Eni anunciou que vai avançar com a venda da sua participação conjunta de 50%, em partes iguais com a russa Gazprom, no gasoduto Blue Stream, que liga a Rússia à Turquia.

"No que diz respeito à participação conjunta e igualitária com a Gazprom no gasoduto Blue Stream (que liga a Rússia à Turquia), a Eni pretende prosseguir com a venda da sua participação", disse um porta-voz da empresa à imprensa italiana.

Segundo o porta-voz, "a presença atual da Eni na Rússia é marginal".

A Eni segue o exemplo de grandes petrolíferas como as britânicas Shell e BP, que anunciaram esta semana a retirada de projetos na Rússia devido à invasão militar russa na Ucrânia iniciada há seis dias.

"A nossa decisão de partir foi tomada com convicção", assegurou na segunda-feira o diretor-geral da Shell, Ben van Beurden, num comunicado enviado à bolsa de Londres.

As participações em causa na Shell valiam, no fim de 2021, cerca de três mil milhões de dólares e abrangiam em particular o envolvimento no projeto de gás natural Sakhaline-2 no Extremo Oriente russo, segundo a nota.

A Shell também pretende terminar o seu envolvimento no gasoduto Nord Stream 2, que foi construído para transportar gás russo diretamente para a Alemanha sem passar pela Ucrânia.

No domingo, a petrolífera britânica BP anunciou que vai deixar a russa Rosneft, na qual detém uma participação de 19,75%, na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de