Pfizer quer ter no verão versão da vacina mais fácil de usar

O CEO da farmacêutica, Albert Bourla, explica que a nova versão será mais diluída e poderá ser armazenada num frigorífico normal.

A Pfizer está a preparar "para o verão" uma versão da sua vacina anti-Covid mais diluída e capaz de ser armazenada durante meses à temperatura de um frigorífico normal, anunciou esta sexta-feira o presidente executivo da farmacêutica.

Em entrevista à agência de notícias francesa AFP, Albert Bourla explicou que a nova versão visa facilitar o seu uso e armazenamento, que obriga atualmente a ficar num ambiente de -70º centígrados.

"Estamos a trabalhar numa fórmula, muito melhorada, com a qual a vacina será fornecida já diluída e pronta para uso", afirmou, acrescentando que essa nova versão "poderá ser armazenada durante dois ou três meses num frigorífico, [à temperatura] de dois a oito graus, além de dois a três meses num congelador convencional".

"Achamos que poderemos ter a nova versão neste verão", adiantou.

A Pfizer também está a tentar modificar a fórmula atual para a tornar mais fácil de usar.

"Estamos a tentar ver se podemos estender o seu tempo de refrigeração, tirando a vacina de um supercongelador a -70 graus e colocando-a num frigorífico clássico, a -20 graus durante um mês", referiu.

Numa altura em que duas das vacinas mais vendidas no mundo - a da AstraZeneca e a da Johnson&Johnson - têm sofrido limitações e até suspensões devido a alguns casos de coagulação sanguínea em pessoas a quem foram administradas, o presidente executivo da Pfizer mostra-se confiante na eficácia da sua fórmula.

"Estou otimista em relação à nossa capacidade de controlar" a variante da covid-19 detetada na Índia, disse.

"Já temos dados sobre a 'variante britânica', que é por exemplo proeminente em Israel, e a eficácia da vacina é de 97%. Na África do Sul, contra a 'variante local', é 100% eficaz. E os dados do Brasil mostram que fornece um controlo muito bom relativamente à 'variante brasileira'", afirmou.

"Desenvolvemos um processo para que, assim que uma variante for motivo de preocupação, possamos ter uma vacina eficaz em 100 dias", adiantou Albert Bourla.

O responsável da Pfizer referiu também estar a negociar com a União Europeia a venda de mais 1,8 mil milhões de doses da sua vacina.

"Iremos concluir, nos próximos dias, um novo contrato com a União Europeia" e, "se o conseguirmos, seremos capazes de produzir todas as doses aqui na Europa poderemos produzir muito mais do que o volume deste contrato", garantiu.

"No total, devemos ser capazes de produzir 2,5 mil milhões de doses este ano e ultrapassar os 3 mil milhões no próximo. A Europa, com os seus especialistas ligados às novas tecnologias, é o ambiente ideal" para este avanço, concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de