Poeta de Myanmar morreu após detenção. O corpo foi devolvido à família sem órgãos

Khet Thi passou apenas uma noite na prisão depois de ter sido detido num protesto contra o golpe de 1 de fevereiro.

O poeta Khet Thi foi detido este sábado durante os protestos contra o golpe de Estado em Myanmar (antiga Birmânia) e morreu na prisão. O seu corpo foi devolvido à família este domingo, mas os seus órgãos internos tinham sido removidos

Khet Thi e a esposa, Chaw Su, foram levados para interrogatório no sábado por soldados armados na cidade central de Shwebo, na região de Sagaing. Ela foi libertada, ele passou a noite na prisão.

No dia seguinte Chaw Su recebeu uma chamada para ir buscar o marido ao hospital de Monywa. Esperava encontrá-lo com ferimentos ligeiros, em vez disso foi encaminhada para a morgue. Khet Thi tinha morrido e os seus órgãos internos foram retirados.

O hospital disse a Chaw Su que o marido tinha problemas cardíacos, mas segundo a mesma não é verdade. Os militares tinham intenção de sepultar o corpo do poeta, mas a família exigiu que este fosse devolvido.

A agência Reuters entrou em contacto com um porta-voz da junta militar que assumiu o poder no país, mas não obteve quaisquer esclarecimentos sobre o caso.

A Associação de Assistência de Presos Políticos não tem dúvidas sobre o que aconteceu: Khet Thi "morreu no hospital depois de ter sido torturado no centro de interrogatório", acusa o grupo ativista fundado por ex-prisioneiros políticos birmaneses que vivem no exílio.

O poeta criticava publicamente o golpe de Estado que depôs a antiga líder birmanesa Aung San Suu Kyi e a violência das forças de segurança nas manifestações, que somam pelo menos 780 mortes e mais de 3.800 detenções.

"Eles disparam contra a cabeça, mas não sabem que a revolução é no coração", escreveu Khet Thi numa das suas últimas publicações sobre a crise de Myanmar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de