Polícia de Hong Kong lança gás lacrimogéneo contra manifestantes com máscaras

Dezenas de milhares de pessoas desfilaram esta tarde tarde, apesar da chuva torrencial, em manifestações não autorizadas em três bairros de Hong Kong.

A polícia de Hong Kong lançou gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes que desafiaram a proibição de protestar com máscaras este domingo.

Dezenas de milhares de pessoas desfilaram esta tarde tarde, apesar da chuva torrencial, em manifestações não autorizadas em três bairros de Hong Kong.

Muitos dos manifestantes usavam máscaras e gritavam "usar máscara não é crime", em protesto contra a proibição, em vigor desde sábado, decretada pela líder do Governo da região administrativa especial chinesa, Carrie Lam, para minimizar os protestos que já decorrem há quatro meses.

A medida, anunciada na sexta-feira, deu origem a distúrbios e episódios de violência e de vandalismo, estes especialmente dirigidos contra a empresa que gere o metropolitano de Hong Kong, MTR, acusada de estar ao lado da China.

Depois de, no sábado, o metro não ter circulado, a MTR anunciou que 45 estações vão estar este domingo abertas, mas 48 outras, situadas em zonas mais afetadas pelos protestos, vão permanecer encerradas.

Nos protestos deste domingo, que envolvem bastante mais pessoas que os de sábado, voltaram a registar-se incidentes e a polícia lançou granadas de gás lacrimogéneo contra manifestantes que tentavam erigir barricadas.

Os críticos temem que o recurso à proibição das máscaras, uma lei promulgada pelos governantes colonialistas britânicos em 1922, possa abrir caminho para regulamentações mais draconianas por parte da chefe do Executivo.

Carrie Lam argumentou que o uso de máscaras permite que manifestantes radicais ocultem a sua identidade, e a sua a proibição é necessária para parar a violência que "semiparalisou" a cidade, não descartando novas medidas se a violência continuar.

Muitos manifestantes pacíficos dizem que a violência se tornou um meio para atingir um fim e a única maneira de jovens manifestantes mascarados forçarem o Governo a aceitar as exigências dos manifestantes.

Um adolescente foi baleado na sexta-feira à noite na coxa por um polícia de folga, que disparou em legítima defesa, alimentando o medo de mais confrontos sangrentos.

Hong Kong vive há quatro meses a pior crise política desde a transferência de soberania do Reino Unido para a China, a 1 de julho de 1997, com manifestações quase diárias para denunciar a alegada erosão das liberdades, a crescente influência do Governo chinês nos assuntos da região semiautónoma e para exigir reformas democráticas.

Patrocinado

Apoio de