Polícia marroquina encerra a passagem de fronteira com Ceuta

Nesta quarta-feira, as pessoas estão a fazer o caminho inverso, para o Sul, depois de se convencerem de que os acessos estão mesmo encerrados.

A polícia marroquina encerrou esta quarta-feira a passagem de fronteira de Tarajal, interrompendo o êxodo migratório que nos últimos dois dias permitiu que oito mil migrantes ilegais entrassem em Ceuta, noticia a agência de notícias EFE.

Até agora, o Governo marroquino não se manifestou sobre o assunto.

Na terça-feira, centenas de pessoas concentraram-se em frente à passagem de Tarajal, aproveitando qualquer distração policial ou qualquer oportunidade para cruzar a fronteira.

Nesta quarta-feira, as pessoas estão a fazer o caminho inverso, para o Sul, depois de se convencerem de que os acessos estão mesmo encerrados.

Como a EFE pôde verificar, o último pontão que separa Ceuta de Castillejos (por onde entraram milhares de pessoas nos últimos dias) está vazio, enquanto os migrantes que entraram em Ceuta estão a ser devolvidos a Marrocos.

Forças antimotim marroquinas não permitiram que ninguém se aproximasse do pontão, apesar das tentativas ocasionais de grupos de pessoas de avançar.

Segundo depoimentos recolhidos de candidatos à migração que pernoitaram no local, as autoridades marroquinas não lhes permitiram subir a colina para tentar entrar na parte mais próxima do bairro El Príncipe.

Até ao momento, o Marrocos aceitou o retorno de 4800 pessoas, metade das pessoas que entraram entre domingo e terça-feira em Ceuta.

Perto de 1500 menores não acompanhados encontram-se provisoriamente acolhidos em Ceuta.

Ceuta e Melilla, as únicas fronteiras terrestres da União Europeia com África, são regularmente palco de tentativas de entrada de migrantes, mas a maré humana que ocorreu desde segunda-feira não tem precedentes.

A origem desta última crise entre Espanha e Marrocos está relacionada com a permanência em Madrid do secretário-geral da Frente Polisário, Brahim Ghali, por motivos de saúde.

A Frente Polisário, considerada como um grupo terrorista por Rabat, reivindica o direito à autodeterminação no Saara Ocidental, território que foi colónia espanhola e posteriormente ocupado pelo Marrocos.

O Governo espanhol convocou o embaixador de Marrocos em Madrid para exprimir "insatisfação" sobre a abertura das fronteiras que provocou a entrada em Ceuta de milhares de pessoas.

Entretanto, Marrocos chamou a embaixadora em Madrid para "consultas" em Rabat.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de