Presidente ucraniano diz que até agora não viu retirada de tropas russas

Volodymyr Zelensky disse que a Ucrânia apenas reage "à realidade e, por enquanto, ainda não vimos qualquer retirada, só ouvimos falar dela".

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse esta quarta-feira, numa entrevista à rádio britânica BBC, que até ao momento não registou qualquer retirada de tropas russas das proximidades das fronteiras do seu país.

"Reagimos à realidade e, por enquanto, ainda não vimos qualquer retirada, só ouvimos falar dela", disse Zelensky à BBC Radio 4.

"Quando as tropas retirarem, todos poderão vê-lo, não só os serviços de reconhecimento militar, mas todos nós", acrescentou o Presidente ucraniano, que sublinhou que "todas as pessoas esperam que haja um apaziguamento" das tensões com a Rússia.

Sobre a ameaça de uma invasão, Zelensky disse que os ucranianos permanecem "calmos", porque " isto não começou ontem", mas "já acontece há muitos anos".

Também o ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, advertiu esta quarta-feira que o Reino Unido não viu até agora "provas" de uma retirada das tropas russas.

"De facto, temos assistido a um crescimento contínuo de recursos, como hospitais de campo e sistemas estratégicos de armamento", disse o ministro.

"Julgaremos a Rússia pelas suas ações e até vermos uma desescalada adequada, penso que todos devemos permanecer cautelosos quanto ao rumo do Kremlin", acrescentou.

A Rússia anunciou esta terça e quarta-feira o regresso aos quartéis de algumas das suas tropas que destacou para perto das fronteiras com a Ucrânia nos últimos meses.

Algumas dessas unidades estavam na península ucraniana da Crimeia, que a Rússia invadiu e anexou em 2014.

O Ocidente acusa a Rússia de ter concentrado mais de 100.000 tropas junto às fronteiras da Ucrânia para invadir novamente o país vizinho, uma intenção negada por Moscovo.

A Rússia acusou esta quarta-feira a NATO de avaliar incorretamente a situação na Ucrânia, numa reação a declarações do secretário-geral da Aliança Atlântica sobre o anúncio de retirada de tropas russas.

À entrada para uma reunião em Bruxelas dos ministros da Defesa da NATO, Jens Stoltenberg disse esta quarta-feira que os aliados não veem "qualquer desescalada no terreno" e que, pelo contrário, "parece que a Rússia continua a reforçar a sua presença militar" junto à Ucrânia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de