Presos numa ilha? Brexit pode acabar com Erasmus no Reino Unido

O Parlamento do Reino Unido chumbou uma proposta que visava a negociação obrigatória da permanência dos britânicos no programa da mobilidade de estudantes Erasmus.

O Reino Unido deverá ficar fora do programa Erasmus, após o Brexit, a não ser que chegue a um acordo com a União Europeia sobre este assunto. Foi chumbada no Parlamento britânico, esta quarta-feira, uma proposta que obrigaria o Governo de Boris Johnson a negociar a permanência do Reino Unido no programa de mobilidade de estudantes após a saída da União Europeia.

A emenda, que foi apresentada pelos Liberais Democratas, teve 344 votos contra e apenas 254 a favor, não passando pelo crivo da Câmara dos Comuns.

Cerca de 17.500 alunos britânicos, por ano, estão, assim, em risco de perder a oportunidade de participar no programa Erasmus, projeto que permite aos alunos universitários estudarem noutros países europeus.

"Desculpem jovens, estudantes que queriam passar algum tempo na Europa a 27, viajar e aprender. O vosso governo agora removeu essa hipótese. Estão presos na ilha", escreveu Caroline Voaden, deputada dos Liberais Democratas no Parlamento Europeu, na sua página de Twitter.

Para já, o Reino Unido tem apenas garantida a participação no programa Erasmus até ao final de 2020. A situação está a levantar grande preocupação junto dos estudantes e das universidades britânicas.

Vivienne Stern, diretora da Universities UK International, lembrou que o Erasmus é uma grande mais-valia para o país e adiantou que os estudantes deste programa já geraram receitas de mais de 420 milhões de libras para o Reino Unido.

"A nossa economia beneficia dos alunos que trazem aprendizagens e redes globais para os nossos negócios locais", explicou a responsável, citada pela Euronews.

Perante a polémica levantada, o Governo britânico já veio assegurar que a hipótese de manter o Reino Unido no programa não está, para já, posta de lado e que o Executivo continua preocupado em assegurar as relações académicas entre o Reino Unido e a União Europeia.

"Continuamos abertos à participação [no programa Erasmus] e este assunto vai fazer parte das futuras negociações com a União Europeia. Nós valorizamos muito o intercâmbio internacional de estudantes", disse o ministro de Estado das Universidades, Ciência, Pesquisa e Inovação do Reino Unido.

O programa Erasmus está ativo desde 1987 e já permitiu que milhões de alunos estudassem fora do seu país de origem em toda a Europa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de