"Qualquer lugar menos a Síria." 86% das crianças refugiadas não querem voltar ao país

O conflito na Síria, que começou há 10 anos e ainda está ativo, devastou o país e obrigou à fuga de quase 5,6 milhões de habitantes para outras partes do mundo.

Uma investigação da organização não governamental Save the Children determinou que 86% das crianças sírias refugiadas não gostariam de retornar ao seu país de origem e um em cada três dos deslocados internos preferiria viver noutro lugar. O estudo foi realizado para assinalar o décimo aniversário do início do conflito na Síria.

De uma amostra de 1.900 menores, com idades entre 13 e 17 anos, refugiados ou deslocados internos entrevistados pela organização na Síria, Jordânia, Líbano, Turquia e Holanda, 26% mencionaram o fim da violência no território sírio como um de seus maiores desejos para o futuro e 18% mencionaram o acesso à educação.

Entre os entrevistados nas nações mencionadas, que hospedam a maioria dos 5,6 milhões de refugiados sírios, dos quais 2,5 milhões são crianças, 44% relataram ter sofrido discriminação no seu bairro ou na escola, um número que sobe para 58% entre os que vivem na Síria.

O relatório da Save the Children, intitulado "Qualquer Lugar menos a Síria", também revela que 42% dos entrevistados não foram à escola. Entre os menores que estão no Líbano, apenas 31% tiveram acesso à aprendizagem e na Jordânia apenas 49% deles estavam na escola. Na Holanda, todos os menores iam à escola.

"Seja dentro ou fora da Síria, as crianças afetadas por este conflito ainda têm dificuldade em se sentir em casa onde estão. Esta guerra de 10 anos custou aos jovens da Síria a sua infância, mas o mundo não deve permitir que seja roubado deles o futuro", disse o diretor da ONG para o Médio Oriente, Jeremy Stoner.

O conflito sírio, que começou em 15 de março de 2011 e ainda está ativo, devastou o país e quase 5,6 milhões de habitantes fugiram para outras partes do mundo, enquanto 6,6 milhões de sírios estão deslocados em seu próprio país, segundo dados do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de