Quem vai governar a Alemanha nos próximos quatro anos? Negociações começam esta sexta-feira

Partidos vão tentar formar uma coligação que permita governar o país e perceber se podem confiar uns nos outros, encontrando pontos em comum.

Começam esta sexta-feira em Berlim as negociações para tentar formar uma coligação que permita governar a Alemanha nos próximos quatro anos. No entanto, já parece ser claro que Liberais e Verdes vão fazer parte do próximo executivo, resta saber se com a CDU, ou com o vencedor das legislativas de domingo,

Nos próximos dias, representantes dos principais partidos alemães vão tentar perceber se podem confiar uns nos outros e encontrar pontos em comum.

A agenda é ambiciosa: reformas sociais, legislação laboral, aumento do salário mínimo, combate às alterações climáticas, digitalização, modernização da economia. São muitos os temas em cima da mesa das negociações.

Depois de oito anos de grande coligação, uma ideia ganha força entre os partidos mais pequenos. Basta de gestão, chegou a hora de governar.

Os negociadores dos Liberais e dos Verdes encontram-se esta manhã para dar o tiro de partida nas negociações com vista à formação de um governo.

No domingo, os liberais reúnem-se à tarde com o SPD e à noite com a CDU. Também no domingo à noite terá lugar a primeira conversa entre o SPD e os Verdes.

O primeiro entre a CDU e os Verdes não deve acontecer antes da próxima terça-feira.

As reuniões exploratórias devem estar concluídas até meados de outubro e a coligação o mais tardar no Natal.

Na terça-feira, uma conversa informal entre os líderes dos verdes e dos liberais deixou o SPD irritado, mas foi dessa ronda preliminar que saiu a primeira luz verde da semana. Os liberais já se tinham mostrado contra a proposta dos ecologistas para fixar limite de velocidade nas autoestradas alemãs em 130km/h.

Já depois do encontro, o líder dos Verdes no Bundestag adiantou que o partido está disposto a deixar cair a medida e sublinhou que não é uma marcha-atrás, mas sim um movimento em direção à neutralidade climática.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de