Rádio Capital atacada por grupo de homens armados na Guiné-Bissau

O diretor da Rádio Capital revela que "destruíram a rádio de novo", depois de um primeiro ataque, que ocorreu a 26 de julho de 2020.

Um grupo de homens armados atacou esta segunda-feira a Rádio Capital, na Guiné-Bissau, onde na semana passada houve uma tentativa de golpe de Estado, disse à Lusa o diretor, Lassana Cassamá.

Segundo a mesma fonte, a rádio foi atacada "por um grupo de homens armados", precisando que houve disparos e que tem informações de que o ataque terá provocado dois feridos, mas não avançou mais detalhes.

O diretor da rádio encontra-se em Lisboa e está a tentar obter mais informações a partir de Bissau.

"Destruíram a rádio de novo", disse o diretor, referindo que este é o segundo ataque às instalações daquele meio de comunicação social depois de um outro, em 26 de julho de 2020, quando foi destruído praticamente todo o material.

Na altura, a Liga Guineense dos Direitos Humanos denunciou o ataque à rádio, considerada crítica do regime na Guiné-Bissau, como "um ataque à liberdade de imprensa", levado a cabo por pessoas que "querem instalar a prepotência e o caos na Guiné-Bissau".

No dia 1 de fevereiro, homens armados atacaram o Palácio do Governo da Guiné-Bissau, onde decorria um Conselho de Ministros, com a presença do Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, e do primeiro-ministro, Nuno Nabiam.

O ataque causou pelo menos oito mortos, segundo o último balanço do Governo, que reviu em baixa o número de vítimas mortais.

O Presidente considerou tratar-se de uma tentativa de golpe de Estado que poderá também estar ligada a "gente relacionada com o tráfico de droga".

O Estado-Maior General das Forças Armadas guineense iniciou, entretanto, uma operação para recolha de mais indícios sobre o ataque, que foi condenado pela comunidade internacional.

Na sequência dos acontecimentos, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) anunciou o envio de uma força de apoio à estabilização do país.

A Guiné-Bissau é um dos países mais pobres do mundo, com cerca de dois terços dos 1,8 milhões de habitantes a viverem com menos de um dólar por dia, segundo a ONU.

Desde a declaração unilateral da sua independência de Portugal, em 1973, sofreu quatro golpes de Estado e várias outras tentativas que afetaram o desenvolvimento do país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de