Radio Free Europe suspende operações na Rússia

A rádio suspendeu as operações na Rússia "depois das autoridades locais terem iniciado um processo de falência contra a delegação na Rússia".

A rádio norte-americana Radio Free Europe/Radio Liberty anunciou que vai deixar de fazer reportagens a partir da Rússia, depois de aprovada uma lei que pune com prisão até 15 anos quem "divulgar informações falsas".

A rádio suspendeu as operações na Rússia "depois das autoridades locais terem iniciado um processo de falência contra a delegação na Rússia e depois de a polícia ter intensificado a pressão sobre os jornalistas", de acordo com um comunicado.

Os "ataques do Kremlin" são "o culminar de uma campanha de pressão" durante anos, alegou a emissora, que mantinha uma presença física na Rússia desde 1991, quando estabeleceu um escritório em Moscovo a convite do então Presidente russo Boris Ieltsin.

A Radio Free Europe/Radio Liberty (RFE/RL) garantiu que vai continuar a escrever notícias sobre a Rússia, a partir do estrangeiro, e "a dizer a verdade sobre a invasão catastrófica da Rússia ao seu vizinho", a Ucrânia.

A RFE/RL foi um das cinco órgãos de comunicação social, sediados fora do país, mas que publicam notícias em russo, bloqueadas na sexta-feira pelo regulador russo das comunicações, Roskomnadzor.

Estes órgãos "publicaram informações falsas" sobre assuntos como "os métodos de realização de atividades de combate (ataques à população civil, ataques a infraestruturas civis), as perdas das Forças Armadas da Federação russa ou o número de vítimas da população civil", justificou o regulador, num comunicado enviado à agência de notícias estatal russa RIA Novosti.

Os bloqueios da imprensa afetaram a inglesa BBC, a norte-americana Voice of America, a RFE/RL, a alemã Deutsche Welle e o site Meduza, com sede na Letónia.

Estes títulos estão entre as publicações de 'media' estrangeira mais influentes e, muitas vezes, mais críticas da Rússia.

Também na sexta-feira, o parlamento russo tinha aprovado, por unanimidade, uma lei que criminaliza a disseminação intencional daquilo que a Rússia considera ser informação falsa.

As autoridades russas têm denunciado várias vezes relatos de reveses militares russos ou mortes de civis na Ucrânia como "informação falsa" e os meios de comunicação estatais referem-se à invasão da Ucrânia pela Rússia como uma "operação militar especial" e em vez de "guerra" ou "invasão".

Penas de até três anos ou multas estão previstas para quem divulgar o que as autoridades consideram ser notícias falsas sobre os militares, mas a pena máxima sobe para 15 anos para casos considerados como tendo "graves consequências", disse a câmara baixa do parlamento.

A BBC, a televisão norte-americana CNN, a televisão espanhola RTVE e o jornal espanhol El País já anunciaram a suspensão das operações jornalísticas na Rússia, devido a esta lei.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de