Receita para um futuro longe da guerra

Um curso de cozinha tenta ajudar refugiados e imigrantes a construírem uma nova vida. As aulas práticas começaram esta semana.

Todos de máscara e avental, os alunos têm à frente facas e tábuas de cortar.

Elas usam quase todas hijab, o véu islâmico que lhes cobre o cabelo e as orelhas.

São cerca de 15 refugiados e imigrantes no primeiro curso de cozinha promovido pela Associação Pão a Pão, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa.

Os alunos vêm do Afeganistão, Eritreia, Etiópia, Líbia, Somália, Serra Leoa, Índia, Roménia e Iraque.

As aulas práticas começaram esta semana, com técnicas básicas de cozinha.

O professor Manuel Barreto ensina "primeiras preparações" como cortes de legumes, batatas, frango, outro tipo carne e peixe, além de confecções básicas.

Para um dos alunos, Ika, cortar o frango não traz dificuldades. Já trabalhou numa churrasqueira, depois de passar um ano a fugir da repressão. "No meu país, a Eritreia, há uma ditadura", conta o refugiado de 32 anos.

Passou pela Etiópia, Sudão, Líbia, Mediterrâneo e depois Itália, de onde foi recolocado para Portugal. Ika teve medo, "arrisquei a minha vida para vir para aqui. Não foi apenas uma viagem, não vim de avião. Fugi ilegalmente para cada um dos países". Na Eritreia, deixou o filho, que hoje tem 14 anos, mas não pensa em regressar. "Não é que não queira, não posso mesmo", enfatiza, "fugi ilegalmente. Se voltar, é arriscado, porque não sei o que me podem fazer".

Mastibo também fugiu sozinha, da Somália. "O meu país tem uma guerra há 30 anos", relata já em português. Está há dois anos e três meses no nosso país, depois de ter vivido quatro anos no Egipto. Ainda trabalhou como tradutora e empregada de limpeza, mas sem trabalho, inscreveu-se para o curso de cozinha e sonha ser pasteleira, porque "quero fazer muitos doces", confessa gulosa.

Longe de amargos de boca, a líbia Emi veio com o marido para Portugal, há cinco anos. Confessa o "amor" pelo curso de cozinha e sonha abrir o "Emi sem açúcar café", virado para os doces e salgados destinados aos casamentos.

A presidente da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, Ana Moreira, nota em todos os alunos um "interesse, nalguns a paixão", pela área da cozinha e contacto com as pessoas, mas salienta que estão ainda "numa fase embrionária de exploração do que vai ser o seu futuro".

O curso de cozinha divide-se em duas fases: os primeiros três meses com aulas na Escola e uma segunda parte no restaurante Mezze, da Associação Pão a Pão, que ajudará também os refugiados a encontrarem estágios profissionais.

A presidente da Associação, Francisca Gorjão Henriques, explica que os alunos recebem ajudas de custo, porque "é muito difícil para pessoas imigrantes disponibilizarem o seu tempo para formação, em vez de estarem a trabalhar". Por isso, é atribuído um subsídio de refeição e um apoio para os transportes.

Nota do editor: a autora escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de