Afinal, recolher obrigatório em Kiev volta a ser só à noite

Ao contrário do que tinha sido dito anteriormente, o recolher obrigatório será apenas noturno. O autarca da capital ucraniana voltou atrás e decidiu manter apenas o habitual recolher noturno entre as 20h00 e as 07h00 (18h00 e 05h00 em Lisboa), sendo que os habitantes "poderão deslocar-se livremente em Kiev no domingo durante o dia".

O Presidente da Câmara de Kiev voltou este sábado atrás na imposição de um recolher obrigatório de 35 horas, que tinha anunciado de manhã, e decidiu manter apenas o habitual recolher noturno, das 20h00 às 07h00.

"Nova informação do comando militar: o recolher obrigatório em Kiev e na região não estará em vigor amanhã [domingo]", escreveu o autarca, Vitali Klitschko, na rede social Telegram.

O recolher obrigatório, habitual na cidade entre as 20h00 e as 07h00 (18h00 e 05h00 em Lisboa), será aplicado e os habitantes "poderão deslocar-se livremente em Kiev no domingo durante o dia", precisou, sem explicar os motivos da alteração.

Hoje de manhã, Klitschko tinha escrito nas redes sociais que o recolher obrigatório iria "durar das 20h00 de sábado às 07h00 de segunda-feira, 28 de março".

O recolher obrigatório proíbe os cidadãos de saírem de casa nesse período, exceto para se deslocarem para os abrigos em caso de alerta.

Os transportes públicos e o comércio, incluindo farmácias e postos de abastecimento de combustíveis, também estão impedidos de funcionar.

Vários recolher obrigatórios foram já impostos na capital ucraniana desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, o último dos quais durou 35 horas, entre 21 e 23 de março.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou, entre a população civil, pelo menos 1.081 mortos, incluindo 93 crianças, e 1.707 feridos, entre os quais 120 são menores, e provocou a fuga de mais 10 milhões de pessoas, das quais 3,7 milhões foram para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de