Reportagem TSF. Explosões em Mikolaiv sem alerta prévio de sirenes
Reportagem TSF na Ucrânia

Reportagem TSF. Explosões em Mikolaiv sem alerta prévio de sirenes

Mikolaiv, cidade localizada no Sul da Ucrânia junto do Mar Negro, foi alvo de ataques esta sexta-feira. Foram ouvidas explosões em Mikolaiv, que chegaram sem qualquer aviso prévio das sirenes. Os projéteis caíram num bairro de pescadores, nas margens do rio Inhul.

Pelo que a TSF conseguiu perceber no local, os mísseis foram disparados a partir de Kherson, uma cidade a 60 ou 70 quilómetros de Mikolaiv, e em grande parte controlada pelo exército russo.

Para já, Mikolaiv é uma cidade que está em mãos ucranianas. Os tanques russos chegaram a estar no centro da cidade, mas o exército ucraniano voltou a conquistar Mikolaiv.

O edifício da câmara municipal foi bombardeado na terça-feira, um ataque que fez pelo menos 24 mortos. Ao contrário do que acontece em Odessa, a vida em Mikolaiv já faz lembrar que o país está em guerra. Há muitos postos de controlo no interior da cidade e pilhas de pneus espalhadas pelas avenidas. No interior desses pneus há cocktails molotovs que servem para, caso as forças de Moscovo voltem a entrar na cidade, tirar a visibilidade e dificultar o avanço do exército opositor.

Há ainda outro sistema de defesa. As duas pontes existentes na única estrada que liga Mikolaiv a Odessa estão armadilhadas e prontas a explodir para dificultar o progresso das tropas russas. Uma dessas pontes fica sobre o rio Inhul, mesmo à entrada da cidade. O rio desagua no Mar Negro.

No Mar Negro, mas ao largo de Odessa, permanecem as embarcações de guerra da Rússia. Cinco foram abatidas, mas há ainda outras 14 que ameaçam a cidade ucraniana.

Esta quinta-feira, Sergey Bratchuk, porta-voz de Volodymyr Zelensky, garantia que pelo menos dois desses navios tinham viajado para a Crimeira, antigo território ucraniano que foi anexado pela Rússia em 2014, para se abastecerem com mísseis Kalibr. São armas termobáricas, que atinjem os 800 km/h, e que são muito difíceis de abatar, porque são programadas para realizar uma trajetória irregular, contornando os obstáculos. Ainda assim, as forças ucranianas garantem que conseguiram abater todos esses mísseis que foram lançados pela marinha russa.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de