República Dominicana nega que ex-rei Juan Carlos tenha entrado no país

A imprensa espanhola noticiou que Juan Carlos estaria na República Dominicana, depois de ter anunciado que ia viver no estrangeiro.

A Direção de Migrações da República Dominicana negou esta terça-feira que o rei emérito de Espanha Juan Carlos tenha entrado no país, "contrariamente" às alegações da imprensa espanhola.

Por seu lado, fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros dominicano, citado pela agência noticiosa France-Presse (AFP), indicou não ter "qualquer informação" quanto a uma eventual estada do rei emérito espanhol no país.

Esta terça-feira de manhã, a imprensa espanhola noticiou que Juan Carlos estaria na República Dominicana, para onde se teria deslocado depois de avisar o filho, o rei Filipe VI, que decidiu morar fora do país.

Apesar de o Palácio Real ter anunciado, na segunda-feira, a decisão de Juan Carlos de sair do país, a imprensa não avançou qualquer informação sobre o destino de Juan Carlos, tendo-se especulado que o rei emérito espanhol poderia ir viver para o Estoril, em Portugal.

Toda a imprensa espanhola dá como certo que o monarca, alvo de uma investigação por corrupção, já deixou o território na segunda-feira, embora nem o Palácio Real nem o Governo o tenham confirmado.

A primeira página do portal do diário espanhol ABC, favorável à monarquia, diz hoje que Juan Carlos, de 82 anos, visitou a República Dominicana, tendo o El Mundo e o La Vanguardia acrescentado que o rei emérito pretende ficar uns tempos com os amigos naquele país das Caraíbas.

Mas o jornal 'online' El Confidencial escreve que Juan Carlos poderá preferir viver em Portugal, onde passou a primeira infância, ou em França ou Itália, onde tem família.

O Palácio Real recusa comentar as especulações, depois de ter publicado uma carta de Juan Carlos ao seu filho Felipe VI, na qual anunciou a sua decisão de se afastar de Espanha para ajudá-lo a "exercer as suas responsabilidades".

Na carta, Juan Carlos diz que pretende facilitar o exercício das funções de Filipe VI, pelo que deixará de viver no Palácio da Zarzuela e sai de Espanha, perante "a repercussão pública" de "certos eventos do passado".

A decisão de Juan Carlos acontece quatro meses depois de Filipe VI ter privado o seu pai de uma subvenção pública de quase 200 mil euros anuais, enquanto renunciava a qualquer herança que pudesse corresponder às suas contas no estrangeiro.

Juan Carlos viu-se envolvido numa investigação judicial, desde o verão de 2018, quando agentes da polícia suíça foram enviados por um juiz para analisar as contas de uma empresa gestora de fundos alegadamente ilegais em paraísos fiscais, onde o rei emérito tem investimentos pessoais.

O antigo rei de Espanha não está a ser investigado, mas fontes judiciais suíças já disseram que pode vir a sê-lo num futuro próximo, embora a lei exija que apenas o departamento fiscal do Supremo Tribunal possa assumir o caso.

A investigação está na fase que pode determinar se há indícios suficientes para poder acusar Juan Carlos de ter cometido algum delito, desde que deixou o trono. Os seus advogados já disseram que o rei emérito continuará a colaborar com a justiça, apesar da decisão de sair de Espanha para viver noutro país.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de