Revisão da segurança da Europa? MNE diz ser "urgente" passar do "plano militar" para o "diplomático"

Em entrevista à TSF, Augusto Santos Silva espera que o encontro entre Putin e Biden se realize, o que seria "um sinal muitíssimo positivo". O ministro dos Negócios Estrangeiros afirma que as preocupações da Rússia sobre a sua segurança no caso de a Ucrânia aderir à NATO ou à União Europeia "devem ser consideradas", mas defende que "as ações de intimidação" por parte das forças militares russas "não são aceitáveis".

Devido à crescente crise nas fronteiras da Ucrânia, onde a Rússia mantém meios militares que fazem recear um ataque em grande escala, os ministros dos Negócios Estrangeiros (MNE) da União Europeia (UE) reúnem-se esta segunda-feira, em Bruxelas, com o seu homólogo ucraniano. Portugal estará representado pelo ministro Augusto Santos Silva, que considera que uma possível revisão da "arquitetura de segurança da Europa" deve ser feita através de "meios diplomáticos" e não por "ameaças e intimidação".

"Se é necessário rever a arquitetura de segurança da Europa, tal como ela foi desenhada a partir dos anos 70, então que mostremos todos disponibilidade para revê-la. Essa revisão deve fazer-se por formatos políticos e diplomáticos, e não por ameaças, chantagem, intimidação ou agressão. Nada disso é uma linguagem aceitável no século XXI", afirma em declarações à TSF.

Augusto Santos Silva recorda que a Rússia apresentou "uma série" de preocupações relativamente à segurança tendo em conta uma futura adesão da Ucrânia à NATO ou à União Europeia. Segundo o MNE, essas preocupações "merecem ser consideradas". No entanto, "o que a Rússia tem feito nos últimos meses na fronteira com a Ucrânia e, mais recentemente, com a Bielorrússia são ações de intimidação que não são aceitáveis".

Sobre o possível encontro entre Putin e Biden, Santos Silva fala numa "expectativa muito positiva". "Esperemos que se cumpra e que o encontro se realize. Isso já será um sinal muitíssimo positivo. E que reproduza resultados concretos. O resultado que precisamos é passar urgentemente estas questões do plano militar para o plano político e diplomático", sublinha.

Nos últimos dias, tem crescido o protagonismo do presidente francês nesta crise. O MNE interpreta "muito positivamente" o papel de Emmanuel Macron. "Está a cumprir exemplarmente os seus direitos e obrigações enquanto presidência rotativa do Conselho da União Europeia. Representa-nos a todos nós. E está a fazer valer o peso próprio da França e da política externa francesa."

Questionado sobre o comportamento da Ucrânia, que não tem respondido aos disparos de forças separatistas pró-russas contra as suas posições, Augusto Santos Silva nota que os ucranianos têm "dado mostras de enorme contenção nesta crise". "É um elemento de racionalidade. A outra parte deveria também usar meios racionais. O regresso ao cessar-fogo é uma condição essencial de qualquer desanuviamento", acrescenta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de