Rússia falta a audiência no tribunal da ONU sobre invasão na Ucrânia

Kiev pediu ao tribunal das Nações Unidas que ordene à Rússia que interrompa a invasão à Ucrânia.

A Rússia esteve ausente, esta segunda-feira, na abertura de uma audiência no Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), num processo iniciado pela Ucrânia, que solicita ao tribunal da ONU que ordene Moscovo a parar a sua invasão militar.

"O tribunal lamenta a ausência da Federação Russa durante estes procedimentos", disse Joan Donoghue, juíza-presidente do TIJ, indicando que já havia sido notificada dessa ausência pelo embaixador russo nos Países Baixos, onde está localizada a sede do tribunal.

A audiência prosseguiu sem a delegação russa e os representantes da Ucrânia apresentaram, esta segunda-feira, os seus argumentos. A Rússia teria a oportunidade de responder na terça-feira às alegações realizadas pelos ucranianos.

Um dos representantes de Kiev pediu ao tribunal das Nações Unidas que ordene à Rússia que interrompa a sua devastadora invasão à Ucrânia.

"A Rússia deve ser travada e o tribunal tem um papel a desempenhar para a impedir", declarou o representante ucraniano Anton Korynevych aos juízes do Tribunal Internacional de Justiça.

O responsável ucraniano lamentou que a Rússia, em vez de participar na audiência, esteja "no campo de batalha, travando uma guerra agressiva" contra o seu país.

"É assim que a Rússia resolve os seus diferendos", adiantou.

O TIJ tem uma "responsabilidade de agir", salientou Anton Korynevych. "A Rússia precisa de ser parada e o tribunal tem um papel a desempenhar para a impedir".

As audiências do TIJ, no Palácio da Paz, em Haia, devem durar dois dias e a decisão sobre o pedido da Ucrânia é esperada em breve, embora isso não signifique que a Rússia cumpra qualquer ordem que este tribunal possa determinar.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo as autoridades de Kiev, já fez mais de 2.000 mortos entre a população civil.

Os ataques provocaram também a fuga de mais de 1,5 milhões de pessoas para os países vizinhos, de acordo com a ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de