Rússia regista 601 mortes em 24 horas. É o recorde do ano

Em Moscovo, epicentro da pandemia na Rússia, o número de mortes num dia subiu para 98, o máximo desde o início da crise sanitária, em março do ano passado.

A Rússia registou 601 mortes por Covid-19 em 24 horas, um recorde diário desde o início do ano, anunciaram esta sexta-feira as autoridades locais.

Em Moscovo, epicentro da pandemia na Rússia, o número de mortes num dia subiu para 98, o máximo desde o início da crise sanitária, em março do ano passado.

Durante as últimas 24 horas registaram-se, nas 85 regiões da Rússia, 20 393 novos contágios, dos quais 3.120 (15,3%) assintomáticos.

Em Moscovo foram contabilizados 7916 novos casos, de acordo com o último balanço das autoridades. A capital russa bate, pelo quarto dia consecutivo, o recorde de mortes por Covid-19, revelam as estatísticas.

O presidente da Câmara de Moscovo, Sergei Sobyanin, afirmou recentemente que a cidade está "praticamente num pico de contágios, em comparação com a última vaga".

A capital russa criou um passe sanitário obrigatório que permitirá à população, a partir de dia 28, frequentar os restaurantes em Moscovo, forma encontrada para travar o aumento de novos casos de Covid-19, ligados à variante Delta.

Os restaurantes e bares que não possuam um sistema de controlo só poderão trabalhar em regime de "takeaway".

A Câmara de Moscovo tem vindo a intensificar as medidas restritivas desde meados de junho devido à inesperada explosão de novos casos de Covid-19, ligada à variante Delta, que apareceu na Índia e é considerada mais contagiosa e virulenta.

Atualmente, a variante Delta representa quase 90% das infeções na capital russa e a resistência dos moscovitas à vacinação está também a favorecer a atual onda de contaminações

Diante do recente aumento de casos, o presidente da Câmara da cidade tornou a vacinação obrigatória no setor dos serviços.

A campanha de vacinação está atrasada desde dezembro, face à desconfiança dos russos nas vacinas disponíveis e apesar dos repetidos apelos do Presidente, Vladimir Putin.

As autoridades russas também permitiram que os empregadores suspendessem os funcionários que não fossem vacinados contra a Covid-19.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos 3 893 974 vítimas em todo o mundo, resultantes de mais de 179 516 790 casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17 079 pessoas e foram confirmados 869 879 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de