Rússia regista recorde diário de mortes devido à Covid-19 pelo quarto dia consecutivo

A Rússia registou ainda o maior número de contágios desde meados de janeiro, com 23.218 novos casos.

O Governo russo registou 679 mortes de Covid-19 nas últimas 24 horas, um recorde pelo quarto dia consecutivo numa altura em que o país é fortemente atingido pela variante delta.

A Rússia registou ainda 23.218 novos casos, o maior número desde meados de janeiro, quando o país emergia de uma segunda vaga mortal.

A capital, Moscovo, principal foco da epidemia, e a segunda cidade do país, São Petersburgo, registaram 112 e 101 mortes, respetivamente, nas últimas 24 horas.

Porém, as autoridades mantiveram a realização dos quartos-de-final do Euro 2020 de futebol, que opõe a Espanha e a Suíça, na sexta-feira em São Petersburgo, reunindo milhares de adeptos, principalmente estrangeiros.

A pandemia de Covid-19 ressurgiu desde meados de junho na Rússia, perante uma lenta campanha de vacinação.

Até agora, a campanha convenceu apenas 23,6 dos 146 milhões de habitantes, 16% da população, enquanto os restantes continuam a desconfiar das vacinas nacionais.

Em várias regiões, incluindo Moscovo, as autoridades tomaram medidas para incentivar os russos a serem vacinados, como por exemplo, a introdução de um passe sanitário para ir aos restaurantes da capital.

A agência francesa France-Presse observou longas filas num posto de vacinação num centro comercial de Moscovo esta manhã, com mais de 100 pessoas à espera da sua dose.

A capital lançou também uma campanha de revacinação na quinta-feira para aqueles que receberam as duas primeiras doses há mais de seis meses, para receberem uma terceira injeção para fortalecer defesas contra novas variantes.

O Ministério russo da Saúde indicou que esta revacinação é recomendada até que o país atinja a imunidade coletiva.

A partir daí, será possível passar para uma "revacinação de rotina" a cada 12 meses, como acontece com a gripe sazonal.

O Presidente russo, Vladimir Putin, voltou a convocar os concidadãos a serem vacinados, pedindo para que "ouçam os especialistas" e não os rumores sobre a Covid-19, enquanto se mantém contra a obrigatoriedade de vacinação a nível nacional.

O Kremlin, que admitiu que não conseguirá atingir a meta de ter 60% da população vacinada até agosto, recusa por enquanto qualquer confinamento nacional para preservar a frágil economia.

Em todo o país, a pandemia totalizou mais de 5,5 milhões de infetados e 136.565 mortes, segundo os dados oficias.

Por seu lado, agência de estatísticas Rosstat, que tem uma definição mais ampla de mortes relacionadas com o coronavírus, registou 270 mil mortes no final de abril.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 3.949.567 mortos no mundo, resultantes de mais de 182,1 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de