Saída sem acordo? "É o melhor para o futuro do país, acreditem em mim"

Boris Johnson apela a que os deputados não causem turbulência para que a União Europeia não ofereça condições que não favoreçam o Reino Unido.

Boris Johnson garante que a pior coisa que pode acontecer à democracia britânica é desonrar o resultado do referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia.

A braços com uma forte contestação no país e em entrevista à Sky News, Boris Johnson responde às críticas de que tem sido alvo. "Penso que a pior coisa para a democracia seria cancelar o referendo, como algumas pessoas sugerem, para anular o resultado, dizer às pessoas que vão ser ignoradas depois de todas as promessas feitas. O risco de frustrar esse mandato, se impedirmos o Reino Unido de sair a 31 de outubro, vai criar danos irreversíveis na confiança das pessoas na política e nos grandes partidos políticos", refere o primeiro-ministro britânico.

O líder do Governo apelou ainda aos parlamentares britânicos para que confiem na Tutela, já que, aponta, a turbulência política no país pode dar motivos aos parceiros europeus para não oferecerem o acordo de que o Reino Unido necessita.

"Receio que, quanto mais os nossos amigos e parceiros pensem no fundo das suas cabeças que o Brexit pode ser travado, que o Reino Unido pode ficar por causa do Parlamento, é menos provável que nos deem o acordo de que precisamos. É por isso que espero que os deputados permitam ao Reino Unido fechar o acordo enquanto nos preparamos para uma saída sem acordo. É o melhor para o futuro do país, acreditem em mim", comenta.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados