Segunda ronda de negociações e "não há muito que esperar". Rússia continua a "avançar no terreno"

O encontro negocial, entre russos e ucranianos, que estava previsto realizar-se na quarta-feira foi remarcado para esta quinta-feira. Para o editor de Política Internacional da TSF, Ricardo Alexandre, "não há muito que esperar". As tropas russas continuam a "avançar no terreno", a atacar hospitais, escolas e infraestruturas civis, o que torna "mais difícil esperar qualquer sucesso destas negociações".

Está marcada para esta quinta-feira uma segunda ronda de conversas entre russos e ucranianos. Para o editor de Política Internacional da TSF, Ricardo Alexandre, é "difícil esperar qualquer sucesso destas negociações."

As expectativas são baixas, desde logo porque para o lado ucraniano "é muito complicado estar a negociar quando se está debaixo de bombardeamentos", explica Ricardo Alexandre. Depois porque quem compõe as delegações "não é a melhor" - "são personagens secundárias num enredo que tem atores principais", considera.

"Apesar de haver algum esforço na tentativa de encontrar um local", a segunda reunião para negociações entre as partes vai realizar-se esta quinta-feira na Bielorrússia, junto à fronteira com a Polónia.

Para o editor de Política Internacional da TSF, "a queda de Kherson", uma cidade portuária junto da península da Crimeia, é "muito significativa" tendo em conta que "permite aos russos controlar mais a Costa Sul do território ucraniano e avançar para o Ocidente em direção a Odessa".

Ricardo Alexandre não prevê negociações frutíferas, visto que "a Rússia vai continuando a avançar no terreno". Os "ataques de tropas russas, relatados em hospitais, em escolas, em infraestruturas civis" tornam "mais difícil esperar qualquer sucesso destas negociações", conclui.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de