Sete migrantes morreram num barco com 280 pessoas junto à ilha de Lampedusa

Atualmente, a ilha de Lampedusa abriga 740 migrantes, quando tem capacidade para apenas 200.

Sete migrantes que estavam a bordo de um barco na qual viajavam cerca de 280 pessoas morreram na segunda-feira à noite junto à ilha italiana de Lampedusa, informaram as autoridades locais.

Inicialmente tinha sido relatada a morte de três migrantes pela Guarda Costeira, mas entretanto outros quatro morreram quando chegavam à ilha.

A maioria dos migrantes veio do Bangladesh e do Egito e todos terão morrido de hipotermia devido às baixas temperaturas.

"Outra tragédia. Mais uma vez choramos vítimas inocentes. Aqui, estamos ainda a fazer a nossa parte, apesar de o Governo italiano e a Europa parecerem ter esquecido Lampedusa e os lampedusanos. Mas não podemos continuar sozinhos por muito tempo", disse o presidente da câmara da cidade, Toto Martello, à agência de notícias italiana AGI.

Martello voltou a denunciar que, após os últimos desembarques, a ilha abriga atualmente 740 migrantes, quando tem capacidade para cerca de 200.

Entretanto, o navio Geo Barents, dos Médicos Sem Fronteiras, aguarda a entrada num porto com 439 migrantes resgatados a bordo em diversas operações nos últimos dias.

"Todos os nossos pedidos a Malta para um porto de desembarque seguro foram ignorados ou negados", explicaram nas redes sociais.

A diretora médica do Geo Barents, Alice Serracchieri, explicou que a situação é dramática porque "as pessoas a bordo estão cansadas e exaustas pela longa viagem marítima e pela permanência na Líbia caracterizada pela violência e tortura".

"Após o exame médico realizado a bordo, encontramos pessoas traumatizadas ou com doenças crónicas. As más condições climatéricas dos últimos dias aumentaram o desconforto geral das pessoas a bordo", acrescentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de