Situação inédita na Suécia. Primeiro-ministro derrubado no Parlamento

A censura ao chefe do Governo contou com uma maioria absoluta de 181 deputados (em 349). Lofven tem agora uma semana para anunciar eleições antecipadas em pleno período estival ou demitir-se definitivamente.

O primeiro-ministro sueco, o social-democrata Stefan Lofven, foi derrubado, esta segunda-feira, por um voto de desconfiança no Parlamento, situação inédita na história política da Suécia, e tem uma semana para se demitir ou convocar novas eleições.

Resultado da reviravolta na semana passada do Partido da Esquerda, que até agora apoiava pontualmente o Executivo, a censura ao chefe do Governo contou com uma maioria absoluta de 181 deputados (em 349), enquanto 109 votaram contra a moção e 51 abstiveram-se.

Para derrubar o Governo, os votos do ex-partido comunista juntaram-se aos da extrema-direita dos Democratas da Suécia, assim como aos da direita do partido conservador dos Moderados e dos Democratas-Cristãos.

Depois de 11 votos de desconfiança malsucedidos na história política sueca, Stefan Lofven, que até agora se destacou pela sua capacidade de sobreviver a crises políticas desde que chegou ao poder em 2014, tornou-se o primeiro chefe de Governo a ser derrubado dessa forma na Suécia.

Lofven tem agora uma semana para anunciar eleições antecipadas em pleno período estival ou demitir-se definitivamente.

De acordo com a Constituição sueca, em caso de eleições antecipadas, estas não alteram a data do escrutínio previsto para setembro de 2022, o que levará a duas legislativas em pouco mais de um ano.

Em caso de demissão, o primeiro-ministro cessante deixa ao presidente do Parlamento a tarefa de abrir negociações com um partido para encontrar um novo chefe de Governo, que poderá ser novamente Stefan Lofven com base num novo acordo político, sublinham analistas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de