Sondagem dá como certa aprovação de emendas constitucionais na Rússia

A consulta popular às emendas da Constituição começou na quinta-feira e termina na próxima quarta-feira.

A maioria dos russos, 76 por cento, aprovam o pacote de emendas constitucionais que, entre outras questões, permitiriam ao Presidente russo, Vladimir Putin, permanecer no poder até 2036, de acordo com uma sondagem divulgada nesta segunda-feira.

Este resultado refere-se aos quatro primeiros dias de votação da consulta popular às emendas da Constituição, que começou na quinta-feira passada e termina na próxima quarta-feira.

O Centro de Estudos de Opinião Pública (VTsIOM, na sigla em russo), que realizou a sondagem e é ligado ao Governo, indicou ainda que 23,6% dos participantes na pesquisa de opinião manifestaram-se contrários as emendas à Constituição e os 0,4% restantes declararam que anularam o voto.

A data formal da "consulta popular" seria o dia 1 de julho, mas as autoridades abriram as assembleias de voto na quinta-feira passada para evitar ajuntamentos que podem provocar a propagação da pandemia de Covid-19.

Máscaras e gel desinfetante estão à disposição dos 110 milhões de eleitores em 11 fusos horários: de Moscovo a Vladivostoque, no Extremo Oriente.

Inicialmente o referendo esteve marcado para 22 de abril, mas foi adiado por causa da pandemia de Covid-19.

O processo legislativo de reforma da Constituição de 1993 foi iniciado por Vladimir Putin em janeiro e aprovado pelo Parlamento e previa a realização do referendo.

Para um dos principais oposicionistas do regime, Alexey Navalny, o único objetivo do voto é conceder a Presidência vitalícia a Vladimir Putin.

"É uma violação da Constituição, um Golpe de Estado", disse Navalny, através de mensagens divulgadas nas redes sociais.

A reforma autoriza o Presidente a manter-se no Kremlin durante mais dois mandatos, até 2036, ano em que cumpre 84 anos de idade.

Devido às medidas impostas para combater a propagação do novo coronavírus, a campanha política da oposição contra o referendo foi inexpressiva. As manifestações previstas para o mês de abril não se realizaram devido ao confinamento obrigatório.

A página da internet Niet, que recolhia assinaturas de cidadãos russos que se opõem às reformas e à realização do referendo, foi bloqueada pelos tribunais.

Recentemente, Putin declarou na televisão que "ainda não decidiu se vai manter-se no Kremlin depois de 2024".

Paralelamente aos mandatos, o Presidente passa a reforçar poderes que permitem nomear ou afastar juízes, com mais facilidade.

A Constituição pode vir a ter um caráter mais conservador, passando a incluir a inscrição "Fé em Deus" e a consagrar o casamento como uma "instituição heterossexual".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de