Sustentabilidade ambiental será um dos critérios da análise anual do FMI aos Estados-membros

A diretora executiva do FMI reconhece que "tem de haver uma distribuição justa dos ganhos" e que esta distribuição "fomente a economia digital, os investimentos verdes, sustentáveis".

A diretora executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse esta terça-feira que a avaliação da sustentabilidade ambiental será uma das vertentes da avaliação anual que o Fundo faz aos seus Estados-membros, ao abrigo do artigo IV.

"Estamos a preparar um aumento muito rápido da inclusão do clima nas considerações que fazemos ao abrigo da análise anual das economias, no artigo IV", disse Georgieva, durante uma intervenção à margem da cimeira sobre o financiamento das economias africanas, que decorre esta terça-feira em Paris, um dia depois da Cimeira da Paz, dedicada aos impactos da pandemia nos países menos desenvolvidos.

Para a responsável do FMI, a pandemia está a ter impactos profundos e duradouros, mesmo em termos de organização do próprio Fundo: "Criámos, na sequência da pandemia, uma posição para a emissão de recomendações políticas aos Estados-membros para aprofundarem os projetos com impacto ambiental e para fomentarem o poder das mulheres na economia."

Georgieva disse que, apesar de a pandemia atingir todas as economias, as mulheres foram as grandes prejudicadas, e entre estas as mães com empregos menos qualificados e filhos pequenos a cargo.

"Falamos numa recessão [recession, em inglês], mas há quem fale num 'shecession' e até numa 'momcession', porque esta pandemia atinge de forma desigual as mulheres que têm filhos pequenos e empregos menos qualificados", disse Georgieva, citando um estudo interno do FMI sobre o impacto da pandemia nos rendimentos das famílias.

"Vai haver mudanças estruturais em resultado desta pandemia, estamos agora mais cientes das desigualdades, mas o FMI está cá para ajudar os países a definirem políticas, e entre estas vamos insistir muito na progressividade dos impostos", ou seja, em impostos que aumentam à medida que sobem os rendimentos.

A responsável considerou que "há partes da economia que estão muito bem, e outras partes que estão à beira do abismo", que "tem de haver uma distribuição justa dos ganhos" e que esta distribuição "fomente a economia digital, os investimentos verdes, sustentáveis, resilientes ao clima e que potencie o talento".

A Cimeira de Paris reúne esta terça-feira dezenas de líderes africanos e europeus, além de responsáveis de organizações internacionais, para promover discussões e encontrar soluções para o financiamento das economias africanos, a braços com uma redução das receitas e um aumento do custo da dívida pública, que limita o investimento no desenvolvimento económico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de