Tedros Ghebreyesus oficialmente reeleito para segundo mandato na OMS

O etíope só poderá cumprir mais um mandato, que começa oficialmente no dia 16 de agosto.

A Assembleia Mundial da Saúde reelegeu esta terça-feira formalmente o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde( OMS), Tedros Ghebreyesus, para um segundo mandato de cinco anos.

O etíope de 57 anos era o único candidato à posição e foi confirmado esta terça-feira durante a 75.ª Assembleia, no culminar de um processo que começou em abril de 2021, quando foi nomeado pelos membros para assumir o cargo.

Ghebreyesus só poderá cumprir mais um mandato, que começa oficialmente no dia 16 de agosto.

Antes de dirigir a OMS, o médico Tedros Ghebreyesus foi ministro dos Negócios Estrangeiros e da Saúde da Etiópia entre 2005 e 2016, esteve à frente do fundo global de combate à Sida, Tuberculose e Malária.

Aplaudido de pé na sua reeleição, Tedros descreveu-se como "filho da guerra", aludindo aos conflitos das últimas décadas no seu país, referindo que depois da experiência traumática de ver o seu irmão mais novo morrer de uma doença quando era criança, "foi a sorte" que o trouxe até aqui.

Durante o seu primeiro mandato, a OMS enfrentou o desafio de lidar com a Covid-19, mas com pontos de contenção, como a forma como aquela agência da ONU lidou com a questão das máscaras, cujo uso desaconselhou durante meses, ou como considerou que o SARS-CoV-2 não era um vírus capaz de mutações rápidas.

Cientistas designados pela OMS para investigar a origem do novo coronavírus emitiram no ano passado um relatório que o próprio Tedros Ghebreyesus reconheceu que excluía prematuramente a possibilidade de ter tido origem no laboratório de virologia de Wuhan, a cidade chinesa onde foi detetado pela primeira vez.

Tedros Ghebreyesus tem criticado frequentemente os países mais ricos por alegadamente açambarcarem o stock limitado de vacinas contra a Covid-19 e as farmacêuticas por não estarem a fazer tudo o que podem para fornecer vacinas aos países mais pobres.

Quando a invasão russa desencadeou a guerra na Ucrânia, Ghebreyesus criticou a comunidade internacional por não fazer o suficiente para resolver crises em outros lugares do mundo, como o Iémen, a Síria ou o Afeganistão, argumentando que não agiam porque os povos que sofrem com eles não são brancos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de