Tentativa de fuga de prisão na Venezuela resulta em 46 mortos

Organização não-governamental Observatório Venezuela de Prisões garante que se tratou de um "massacre" depois de um "motim" por causa da falta de condições.

O número de mortes registadas durante uma tentativa de fuga ocorrida na sexta-feira, no Centro Penitenciário de Los Llanos (Cepella), na Venezuela, subiu de 17 para 46, segundo dados divulgados este sábado.

Os dados do Observatório Venezuela de Prisões (OVP) indicam ainda mais de 60 feridos, ao mesmo tempo que questiona a versão oficial dos acontecimentos e fala de um "massacre" e de "um motim".

"Até agora está confirmada a entrada de 46 cadáveres na área forense de Guanare [no estado venezuelano de Portuguesa, 430 quilómetros a sudoeste de Caracas]. Os familiares estão atentos, no local, e acompanhamos a situação dentro da prisão", disse aos jornalistas a diretora do OVC.

Carolina Girón exige das autoridades "uma investigação exaustiva sobre o massacre em Cepella, cuja duvidosa primeira versão [oficial] é de que, em plena luz do dia, pelas 13h00 [hora local, 18h00 de sexta-feira, em Lisboa], os presos tentaram fugir pela porta principal da prisão".

A responsável pelo observatório precisou ainda que "os feridos causaram o colapso da área de urgências do Hospital Dr. Miguel Oraá de Cuanare".

A oposição venezuelana responsabiliza o Governo do Presidente, Nicolás Maduro, pelo ocorrido, e diz que os venezuelanos estão em perigo de vida.

"Em Guanare vemos um novo massacre numa prisão do nosso país, sob o controlo e a responsabilidade da ditadura. Enquanto [o regime] continuar a usurpar funções, a vida de todos os venezuelanos está em risco", escreveu no Twitter o líder da oposição Juan Guaidó.

A deputada opositora Delsa Solorzano, vice-presidente do Grupo Latino-americano e das Caraíbas de União Interparlamentar, atribui o sucedido "a uma amostra da incapacidade do regime" para solucionar a crise nas prisões.

"Desde há meses que denunciamos as precárias condições dos centros de reclusão do país. A sobrelotação nas prisões e as condições precárias a que submetem os presos na Venezuela são violações claras dos Direitos Humanos, que devem ser garantidos pelo Estado em todas as circunstâncias", escreveu na sua conta, na rede social Twitter.

Delsa Solorzano denuncia que "a gerência encarregada dos assuntos penitenciários tem sido absolutamente serviçal à estrutura criminosa do poder que reina nas instalações prisionais e que substituiu o Estado na obrigação de custodiar as prisões na Venezuela".

As primeiras versões davam conta, na sexta-feira, de que pelo menos 17 pessoas tinham morrido e outras nove ficado feridas, durante uma tentativa de fuga do Centro Penitenciário de Los Llanos (Cepella).

As versões iniciais também davam conta de que os presos teriam atacado os oficiais da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) que guardam as áreas externas do Cepella, desencadeando momentos de violência.

Segundo a ministra venezuelana de Serviço Penitenciário, Iris Varela, entre os feridos está o diretor da prisão, Carlos Toro, que terá sido agredido "com uma arma branca" pelos detidos.

O diretor da prisão estaria a tentar falar com os detidos quando foi agredido.

Após a agressão, os presos terão rebentado as grades de segurança para fugirem.

Segundo o diário venezuelano Últimas Notícias, tido como próximo do regime, a tenente Escarlet González Arenas foi ferida por fragmentos de uma granada.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de