Trudeau segue o mesmo caminho de Biden e evoca "genocídio" russo

O primeiro-ministro canadiano refere que o Canadá foi "um dos primeiros países" a abrir um processo no Tribunal Penal Internacional para "garantir que Putin seja responsabilizado pelos seus atos".

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, utilizou esta quinta-feira pela primeira vez o termo "genocídio" para descrever a invasão russa da Ucrânia, seguindo o mesmo caminho do Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que usou a mesma palavra na terça-feira.

"Podemos falar cada vez mais sobre genocídio", disse à imprensa o governante, na província do Quebeque, depois de ter sido questionado sobre a intervenção de Joe Biden.

O líder canadiano, que até ao momento se recusou a usar o termo, prosseguiu: Vimos esse desejo de atacar os civis, de usar a violência sexual como arma de guerra. É totalmente inaceitável".

Justin Trudeau também lembrou que polícia canadiana foi enviada à Ucrânia para investigar e que o Canadá foi "um dos primeiros países" a abrir um processo no Tribunal Penal Internacional (TPI) para "garantir que Putin seja responsabilizado pelos seus atos, pelos seus crimes de guerra".

Na terça-feira, Joe Biden acusou o chefe de Estado russo, Vladimir Putin, de estar a cometer um "genocídio" na Ucrânia, termo utilizado anteriormente pelo Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, mas nunca pelo Governo norte-americano.

"É cada vez mais claro que Putin está simplesmente a tentar apagar a própria ideia de ser ucraniano", disse Joe Biden.

Se "os advogados, a nível internacional" vão decidir sobre a qualificação de genocídio, "para mim, é evidente", atentou.

Volodymyr Zelensky elogiou as "verdadeiras palavras de um verdadeiro líder", porque "chamar as coisas pelo nome é essencial se opor ao mal".

Pelo contrário, o Kremlin considerou hoje "inaceitável" que o Presidente dos Estados Unidos acuse o seu homólogo russo de "genocídio" em território ucraniano.

Também questionado sobre a "escalada de palavras" sobre o conflito russo-ucraniano, o Presidente francês, Emmanuel Macron, não quis usar o termo.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou quase dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, mais de 4,5 milhões das quais para os países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de